Pular para o conteúdo

RACISMO NO FUTEBOL : TRIBUNAL RECUA E ENFRAQUECE A LUTA ANTIRRACISMO

 

O Brusque recorreu e o STJD retirou a punição que determinava a perda de três pontos do clube.

A punição aconteceu depois do caso de racismo contra Celsinho, do Londrina.

Na decisão, a maioria do tribunal decidiu pela perda de um mando de campo e pagamento da multa de R$ 60 mil reais.

O autor das ofensas racistas foi Júlio Antônio Petermann, presidente do Conselho Deliberativo do Brusque. Ele foi punido por um ano. É o tipo da punição que não será cumprida…

Lembram :” …vai cortar o cabelo. Seu cachopa de abelha…” E num vídeo divulgado pelo Londrina é possível ouvir o grito de “macaco”.

Mais uma vez, o STJD perde a chance de mostrar força na luta contra o racismo.

O cartola é o presidente do principal poder do Brusque.

A dureza da perda dos pontos , seria a pena correta e a possível por parte da justiça esportiva.

Todas as outras decisões do STJD,nesse caso, são irrisórias.

O STJD teve a oportunidade de deixar claro que “no esporte” , dirigente que tem esse tipo de comportamento, prejudica  profundamente  o seu próprio clube.

O ataque contra Celsinho . não teve punição…

Repito: sem a perda de pontos, as demais decisões do tribunal são vazias.

O STJD liberou geral…

Se um dirigente comete racismo e a vida segue, não tem jeito…

Celsinho , depois do recuo do tribunal, disse que um dos seus filhos “perguntou se deveria evitar deixar o cabelo como o meu para não acontecer algo assim com ele..”.

O punido foi o agredido, a família dele…e todo aquele que luta contra o preconceito e a discriminação.

 

 

 

 

Comentários

comments