Pular para o conteúdo

TVs estão cada vez mais tecnológicas, e LG eleva foco no consumidor

Divulgação
TVs estão cada vez mais tecnológicas, e LG eleva foco no consumidor

Comprar uma televisão hoje em dia exige a mesma estratégia que uma partida de xadrez. Isso porque existem tantos modelos em uma mesma marca e tantas tecnologias diferentes integrando cada um desses modelos que a escolha deve ser feita com atenção aos detalhes. Às vezes mais aos detalhes sobre você do que sobre o aparelho em si. E digo isso porque o seu perfil de utilização definirá o melhor televisor.

As opções, como eu disse, são várias. Telas pequena, médias, grandes ou muito grandes. Há também tecnologias diferentes em cada uma dessas telas, que vão entregar experiências distintas para cada tipo de uso: do futebol na TV, passando por filmes em altíssima definição, até os games.

Ao longo dos últimos dias apresentei no Tech News — no rádio e no Panflix — trechos da conversa que tive com o executivo de produtos da LG, Pedro Valery, que trouxe a visão geral da empresa sobre os lançamentos deste ano (alguns ainda nem chegaram às lojas). Segundo ele, o foco está totalmente na experiência do consumidor. Cada detalhe, interno ou externo, é pensado para oferecer a melhor interação entre o usuário e o aparelho de TV, que está cada vez mais inteligente.

Tecnologia e versatilidade

Um dos lançamentos da LG para esse ano é a linha OLED Evo, que trouxe mudanças no design e novidades para quem busca alta qualidade de som, imagem (os aparelhos dessa família têm painéis com pixels iluminados de formas autônoma) e ainda a interação com outras plataformas e dispositivos. Para Pedro Valery, a linha OLED Evo é versátil pois atende perfeitamente vários perfis de consumidor.

“[A linha OLED Evo] Oferece a melhor televisão para os gamers, a melhor televisão para a experiência de cinema, assim como a parte smart, que vai desde os aplicativos de streaming, e também para quem busca a melhor experiência de casa inteligente”.


Diminuir para aumentar

Outra grande novidade da LG para este ano é a QNED MiniLED, que é a evolução do televisor de LCD. Basicamente, os aparelhos dessa linha entregam cores melhores, mais precisas e imagens com mais brilho. Esse upgrade se torna possível porque a LG usa a tecnologia Quantum NanoCell.

Em termos mais práticos, a empresa reduziu o tamanho dos LEDs que iluminam o painel da TV e aumentou a quantidade. São até 30 mil LEDs servindo as novas TVs QNED, que têm tamanhos que vão de 65 até 825 polegadas, em resolução 4K ou 8K.

É possível dizer que a linha QNED MiniLED é a junção de diversas tecnologias de ponta que a empresa dispõe para entregar a melhor experiência possível para aquela categoria de produtos.


A sua TV não é “só” uma televisão

A televisão foi redescoberta ao longo dos últimos anos por meio da evolução de tecnologias para o hardware e de novas interfaces para o software. Os anúncios feitos pela LG ao longo dos últimos anos reforçam essa ideia de transformação, de um novo significado para um aparelho central para a maior parte das casas. Não é por acaso, me explicou Pedro Valery, que nos últimos anos a empresa conquistou prêmios na CES pelas constantes inovações em seus televisores. Neste ano, a linha OLED Evo foi reconhecida com o Best of Innovation Award 2021.

 

Com a meta de oferecer experiência cada vez melhor para os consumidores, a LG incorporou Inteligência Artificial e aumentou a capacidade de integração das TVs com outras plataformas, como os assistentes pessoais do Google e da Amazon. Como estão cada vez mais “smart”, as TVs se tornaram centros de controle e gerenciamento de outros dispositivos dentro de casa. Peça, por meio da televisão, para a Alexa apagar a luz ou te informar o resultado da partida de futebol do seu time.

Outro ponto que merece destaque nessa trajetória é o WebOS, sistema operacional da LG que chegou à versão 6.0 ainda mais fácil de ser operado e com mais interfaces para a descoberta de conteúdos e conectividade com outros aparelhos. No caso do WebOS, o diferencial se dá pelo “casamento perfeito” entre hardware e software. “Você tem o hardware dedicado ao software e também o software dedicado ao hardware. Então você consegue gerar a melhor experiência para o usuário desse televisor. A gente pensa em como vai ser essa experiência para que ela seja a mais fluida, a mais rápida e a que vai atender [o usuário] da melhor maneira”, explica Valery.

 

Tipos diferentes de telas, Inteligência Artificial no processamento, tamanhos e designs variados, interação com outras plataformas… são detalhes e mais detalhes para observar antes de decidir qual é a televisão ideal pra você. Mas vale sempre a recomendação: a sua decisão deve ser baseada, antes de mais nada, no seu tipo de uso. Essa premissa, que eu mencionei no início desse texto, vale para qualquer produto, mas em especial para os eletrônicos. São infinitas as possibilidades, mas a experiência só vai ser boa de verdade se você souber tirar o melhor proveito das ferramentas que estão nas suas mãos.

Comentários

comments

%d blogueiros gostam disto: