Pular para o conteúdo

Um show – Corinthians 0 x 2 Flamengo

Um show – Corinthians 0 x 2 Flamengo

O Flamengo já tinha mais gols que o Corinthians nos 10 clássicos em Itaquera. Mas o retrospecto histórico era igual : quatro vitórias para cada lado. Até o jogo de ida das quartas. Quando o Flamengo atuou como se estivesse na Gávea, fez 2 a 0 com dois golaços, e o Corinthians saiu de campo aliviado por ter sido só isso. Ou quase tudo isso, não fosse Cássio.

Foi uma partida histórica rubro-negra. Uma daquelas para guardar nos olhos e no coração que reviu ótimos momentos daquele avassalador Flamengo de Jorge Jesus. Jogando e não deixando jogar. Marcando alto e jogando e se movimentando muito.

Como Arrascaeta. A todo momento livre ou se livrando e flutuando em campo.

Como Everton Ribeiro fazendo quase o mesmo grande futebol.

Como Gabi ajudando Rodinei na lateral-direita nos poucos ataques alvinegros. E mais uma vez rodando o campo, voltando a fazer gols, e criando muito lances com assistências e intensa movimentação.

Como Thiago Maia e João Gomes marcando e jogando. Filipe Luís voltando a marcar bem. E Rodinei, depois do bizarro gol contra em Itaquera na última derrota rubro-negra, voltar a jogar mais uma vez bem com a bola, e fazer a bela jogada pro golaço de Gabi, no reinício de jogo.

Tanto jogou o Flamengo contra um Corinthians que nada apresentou na sexta partida sem vitória na Libertadoes que até foi beneficiado pela sorte no golaço de Arrascaeta: fosse na outra temporada, o gol seria anulado pela bola que tocou no braço de João Gomes. Até então, pela regra, seria falta por ser no lance imediatamente anterior ao gol. Agora, pela mudança na regra 12, só haveria infração por essa regra de pelada se João Gomes tivesse tido a intenção de meter a mão na bola.

O que não foi o caso.

Como não foram as mexidas de VP: Yuri Alberto pelos lados e Róger Guedes por dentro? Não rolou. Como Adson e Mosquito não foram bem num time carente de Willian e Renato Augusto. É que perdeu com menos de 20 minutos Maycon. E não encontrou no encaixe os talentos de Arrasca e Everton, e a movimentação de Gabi.

O Flamengo sobrou. E encantou.

Volta a disputar todos os títulos com parte do futebol, a intensidade, a movimentação e o brilho de 2019.

Se chegará lá, não sabemos.

Mas que está no caminho, até Paulo Sousa e Jorge Jesus admitiriam.