Pular para o conteúdo

Show dos amigos – Palmeiras 3 x 0 Corinthians

Show dos amigos – Palmeiras 3 x 0 Corinthians

 

O Palmeiras era quase o mesmo que havia empatado contra 70.000 rubro-negros no Maracanã contra o Flamengo. Só mudou Scarpa para a ótima entrada de Veron aberto pela esquerda. O Corinthians era diferente daquele time reserva que jogou muito mal em Londrina contra a Portuguesa carioca. Mas foi ainda pior em Barueri. Se o palmeiras não mandou o dérbi na sua casa, fez de Barueri a casa para um treino-jogo. Teve nove oportunidades e fez três gols. Poderia ter feito muito mais. Contra o Corinthians que teve uma chance só aos 34 do primeiro tempo, em um cruzamento perigoso de Róger Guedes que o imenso Gómez afastou como sempre.

Grande vitória do Palmeiras. Mais uma Péssima derrota do Corinthians. Mais uma em clássico.

Nem São Jorge no seu dia pra dar força aos guerreiros corintianos. A equipe  que foi poupada corretamente no meio de semana, e foi mesclada corretamente pra deixar o time mais pronto para o jogo duro contra o também instável Boca Juniors na terça-feira em Itaquera, foi ruim do começo ao fim. Fato que levou dois gols de replay ao vivo. Em jogadas idênticas. E aí não pode Vitor  Pereira reclamar das ausências. Quem deveria estar nas bolas é um ótimo zagueiro como João Victor, que em 2022 não está jogando o muito que jogou no ano passado. Chegou tarde para cabeçada a Gómez, aos 13, e chegaria tarde na cabeçada de Roni, aos 18, em dois escanteios muito bem batidos pro Raphael Veiga.

O corintiano pode reclamar se a bola realmente saiu no lance do primeiro escanteio. Do mesmo modo que o palmeirense pode discutir se no lance não foi empurrado Roni antes de a bola “sair”. O corintiano pode reclamar também da falta que Dudu cavou, Veiga bateu muito bem, o goleiro Donelli espalmou, e, na sequência no  escanteio, Roni fez dois a zero.

Fora isso, o torcedor corintiano pode apenas celebrar que não foi ainda

pior do que atuação deplorável o placar final.

O Palmeiras do “retranqueiro” Abel Ferreira venceu mais uma vez muito bonito o Corinthians do ofensivo Vitor Pereira. Sim: Abel, na dúvida, é mais precavido, mais reativo, menos ofensivo, menos ousado do que o seu compatriota. Mas o excepcional trabalho de um ano e meio continua dando frutos, enquanto o trabalho ainda começando de VP segue com resultados horríveis em clássicos, e poucas atuações boas. Algumas que são incensadas de maneira irresponsável pelos de sempre. Tão perigosos quanto os que incineram maus resultados e desempenhos.

Terça-feira é outra história. E precisa mesmo ser. E tem como ser, até porque a fase do Boca também não é legal. Mas o Corinthians segue devendo futebol, jogadores de muita história seguem com a sua trajetória espetacular no Corinthians.  Mas só ela é pouco pra esse momento em que os jovens também não têm dado resposta.

Ou não são tão letais quanto o Palmeiras dos jogos grandes tem sido ainda maior.