Pular para o conteúdo

Manchester City 1 x 0 Atlético de Madrid

Manchester City 1 x 0 Atlético de Madrid

Quem procura, acha. O City procura. O Atlético, mesmo tendo há anos os elencos mais caros da história do clube, pouco ou nada cria.

Em 20 minutos em Manchester, o City tinha 76% de posse de bola. Já havia finalizado três vezes na meta do excelente Oblak. Mas nenhuma dentro da meta do goleiro do Atlético.

Nenhuma chance perigosa. A blindagem de cinco homens atrás, mais três no meio, e mais os dois excelentes João Félix e Griezmann na frente. Um Atletico muito chato de ser vencido. Muitas vezes chato de ver com tantos talentos vestindo uma camisa de força tática.

Um elenco riquíssimo sem muita vontade de atacar. Ou achando o empate sem gols na Inglaterra o melhor resultado possível contra um time de Guardiola em fase impossível na Liga Inglesa. Nem tanto na Champions League.

Quando não era mesmo um 5-4-1-0 o esquema do time espanhol. Griezmann recuava pra linha de quatro do meio, João Félix ficava um pouco mais à frente, e de fato não tinha ninguém a partir do grande círculo. Dependendo do ataque, o português fechava, e o francês ficava um pouco mais à frente.

Quando não foi mesmo o 5-5-0.

Pra resumir o primeiro tempo: só deu City. Com a bola. Mas sem espaço e nem muitas ideias.

Segundo tempo, Gundogan na primeira jogada quase fez a um minuto chutando a bola que Sterling quase alcançou. O Atlético respondeu num belo contragolpe mal executado. O jogo ficou mais aberto. Em 10 minutos, o City criou três oportunidades de gol que não havia bolado no primeiro tempo. O desgaste físico abriu a brecha no sistema defensivo colchonero.

E, aos 24, toda a técnica e qualidade do melhor inglês mais jovem (Phil Foden) fez a diferença para encontrar o De Bruyne no meio de 638 colchoneros.  Um passe de De Bruyne de Foden para um gol de Aguero do belga.

As mexidas de Simeone pra deixar o Atlético mais ofensivo acabaram não surtindo efeito. Parece que o time não estava mesmo programado pra buscar o gol.

Aquele que o time de Guardiola conseguiu, mesmo jogando menos do que pode. Também por que o Atlético de Madrid não deixa ninguém jogar.