Pular para o conteúdo

S.C. Corinthians Americano, 8 anos

S.C. Corinthians Americano, 8 anos

S.C. Corinthians Americano
por Mauro Beting em 05.jul.2012 às 0:24h

(o texto que publiquei no meu blog à época no LANCENET!)

Alguns disseram que o Homem não conseguiria pisar na lua. Quando pisou no satélite, acharam que era coisa de cinema. Muitos disseram que o Corinthians não faria a América. Que a Libertadores prenderia o coração corintiano para sempre. Mas o longa metragem que começou dia 4 e terminou em 5 de julho, trinta anos depois do Sarriá, sorriu para o corintiano. Quando Alessandro levantou o caneco, parecia coisa de cinema.

E foi. Em 3D. HD. D+. Foi obra de realismo fantástico para os fiéis de filmes em preto e branco não mais mudos – no máximo roucos. Um bando de loucos roucos pelo Brasil e pela América agora corintiana. Foi um filme de terror para infiéis multicoloridos. Os que não creem. Os que não sabem. Por vezes, nunca souberam.

Os infiéis podem já ter sido campeões. Bi. Tricampeões da América. Até podem não ter conquistado o continente. Muito menos o mundo. Mas torceram como nunca – ou como sempre – contra o sucesso do time de Tite. Um Timão com espírito de equipe. Um elenco com a alma do Corinthians.

Sócrates morreu no dia do penta brasileiro em 2011. Na noite da conquista da América Em 2012, ele reviveu no calcanhar de Danilo para o gol de Emerson Sheik, o artilheiro dos jogos decisivos da Libertadores. Quando eram 23h13, o sonho marcou hora com a história. O segundo gol do Emerson que foi mais veloz que o Fittipaldi calou o Boca e liberou o berro dos maloqueiros não mais sofredores.

Acredite: campeão da Libertadores é o Corinthians. Não é ficção, não é o armagedon. É fato. É feito. É foda. É eles. Não “é nóis” que não sou deles. Sou dos tantos times que torceram contra e que perderam a piada pronta. Da imensa torcida que fez do Boca “o Brasil na Libertadores”. Como o próprio corintiano foi xeneize em 2000, 2001, 2003 e 2007. Porque o futebol é assim. É amar os seus e não gostar dos outros. Quando muitas vezes é preferir ver o outro perder a se ver vencedor. A desgraça alheia é mais saborosa que a própria fortuna.

É a graça do futebol. Esporte abençoado que não permitiu por 52 anos que um colosso como o Corinthians chegasse a uma decisão. Disputa maravilhosa que deixou tantas dores se transformarem na epopeia de Cássio, na romaria de Romarinho, na bola de Castán, Ralf, Paulinho e Danilo, nas histórias tão inverossímeis que parecem futebol. Parecem Corinthians.

Campeão invicto da Libertadores. Vencendo nas quartas o primeiro campeão sul-americano de clubes em 1948 – o Vasco. Vencendo nas semis o atual campeão continental – o Santos de Neymar. Vencendo na decisão o maior campeão deste século – o Boca de Riquelme. Não perdendo. Só vencendo. Só ganhando o que diziam que seria impossível. Que só aconteceria quando o mundo acabasse.

O planeta segue vivo, pulsando como o coração corintiano. O mundo pode até acabar em 2012. Mas, se acontecer, ficará para a história que o campeão da América é o Corinthians.

Coisa de outro mundo. Do lugar onde está cada corintiano. Olhando lá do espaço para a América e pensando com os botões da camisa preta e branca: “essa terra é nossa. Ali é Corinthians”.

Eles são de um bando louco por ti, América.

P.S: José Costa é Zé como tantos, é Costa como muitos, é Corinthians como um bando. Teve um câncer no cérebro em 2010. Não falava. Não enxergava. Não andava. Teve infecção hospitalar. Teve embolia nos pulmões. Teve quase tudo. Tinha menos de 0,5% de chances de sobreviver.

Em 4 de julho de 2012, estava tudo funcionando com seu José Costa. Principalmente o coração corintiano que bateu como nunca. Especialmente a voz que não sussurrava há dois anos e que berrou a plenos e recuperados pulmões com o título que parecia tão impossível quanto a recuperação física dele. Sem nenhuma sequela. Com toda alegria pela Libertadores.

Parabéns pelo seu Corinthians no 4 de julho da independência da América do Norte em 1776, ops, da conquista da América da Sul, em 2012. Parabéns pelos 84 anos completados nessa quarta-feira de glória.