Pular para o conteúdo

Sérvia não será fácil para o Brasil

A Sérvia será difícil para o Brasil. A Costa Rica será o que dela se esperava em 2014 – e eles foram bem demais, então. Não agor

1º TEMPO – Com dois minutos a Sérvia tinha chegado uma vez, a Costa Rica, duas. Mas depois o jogo perdeu a velocidade e intensidade, mas com inegáveis méritos defensivos da surpresa de 2014, que manteve o 5-4-1 do Brasil, com uma equipe mais envelhecida que experiente. Os sérvios se lançaram mas não foram felizes no aproveitamento.

2º TEMPO  – Mitrovic perdeu um daqueles gols que ele perde aos 4, numa daquelas ótimas saídas de Navas. Mas, aos 10min53s, Kolarov bateu aquelas faltas que ele bate, e Navas não chegou. Golaço. Faltou mais ousadia aos sérvios para buscarem algo além do 1 a 0. E tinham como. Costa Rica cresceu, mas não teve uma boa chance sequer.

CHANCES DE GOL –  SÉRVIA 6 X 3 primeiro tempo;  SÉRVIA  5 X 0 segundo tempo. TOTAL:  SÉRVIA 11 X 3.

O LANCE – 44min. Linda bicicleta de Savic e baita defesa de Navas. Mas bandeirinha invalidou – equivocado – por impedimento.

O CARA – Navas. Não é o goleiro que eu gostaria para o meu time. Mas é o cara que eu não gostaria que jogasse pelo meu maior rival. Três grandes defesas.

TÁTICA – Sérvia no 4-2-3-1 com Matic um tanto preso para liberar o ótimo Milinkovic-Savic; Costa Rica mantendo o 5-4-1 de 2014 ate os 27 finais, quando Colindres entrou para armar, modificando o time do 5-4-1 para o 3-4-3, que também levou a Sérvia a adotar de vez o 4-4-2 sem a bola.

NOTAS DO JOGO –  SÉRVIA 6 X 4 COSTA RICA  –  JOGO NOTA 5

O CHUTE INICIAL – SÉRVIA 2 X 0 COSTA RICA (palpite do bolão)

NO FRIGIR DAS BOLAS  – Costa Rica foi tudo aquilo que não se esperava. A Sérvia foi bem, e briga mesmo com a Suíça pelo segundo lugar no grupo do Brasil.