Um post feito pelo time Angels Volley Brasil, equipe LGBT , reproduziu trecho da transmissão da Superliga Feminina em que o Sesi/Bauru eliminou o favorito Sesc-RJ, nas quartas de final. No segmento é possível ver Bernardinho, treinador da equipe eliminada, virando para o banco de reservas e comentando, um ataque certeiro de Tiffany com:

“Um homem, é foda!”

O post da equipe dizia:

“Hoje era para ser um dia feliz para comunidade LGBTQI! Tifanny esta tendo uma bela segunda temporada de aceitação, onde a grande maioria finalmente entendeu que ela é uma mulher boa jogadora com dias bons e dias ruins como várias outras! Hoje ela e todo time do Bauru jogaram bem, algo que não aconteceu no jogo anterior, e mereceram a vitória classificatória na bola em quadra! Porém foi triste ouvir da boca de um técnico referência mundial, bicampeão olímpico, recordista em prêmios de Superliga que ela era um homem! ” Um homem! É foda! ” Transfóbicos e homofóbicos não vão passar sem serem apontados na nossa página! Pode ser o papa do vôlei… Vamos desmarcarar todos! Parabéns para o time feminino do Vôlei Bauru, mulheres incríveis que ganharam jogando por merecimento e sem nenhuma vantagem! “

View this post on Instagram

Hoje era para ser um dia feliz para comunidade LGBTQI! Tifanny esta tendo uma bela segunda temporada de aceitação, onde a grande maioria finalmente entendeu que ela é uma mulher boa jogadora com dias bons e dias ruins como várias outras! Hoje ela e todo time do Bauru jogaram bem, algo que não aconteceu no jogo anterior, e mereceram a vitória classificatória na bola em quadra! Porém foi triste ouvir da boca de um técnico referência mundial, bicampeão olímpico, recordista em prêmios de Superliga que ela era um homem! " Um homem! É foda! " Transfóbicos e homofóbicos não vão passar sem serem apontados na nossa página! Pode ser o papa do vôlei… Vamos desmarcarar todos! Parabéns para o time feminino do Vôlei Bauru, mulheres incríveis que ganharam jogando por merecimento e sem nenhuma vantagem! #angelsvolley #angelsvolleybrazil #volei #voleibol #volley #volleyball #gayvolleyball #volleyballgays #volleygays #superligafeminina #superligadevolei #esporte #sport #sportsgay #sportgay #gaysport #gaysports #copaangels #copaangelsvolley #transfobia #direitostrans #mexeucomumamexeucomtodas #voleifeminino #direitodamulher #contraomachismo #mulheresunidas #convivertransforma #visibilidadetrans #diadavisibilidadetrans

A post shared by Angels Volley Brazil (@angelsvolley) on

Bernardinho se desculpou pelas redes sociais:

“Peço desculpas a todos. Não foi minha intenção de forma alguma ofendê-la. Me referia ao gesto técnico e ao controle físico que ela tem, comum aos jogadores do masculino e que a maior parte das jogadoras não tem. Sempre trabalhei e tentei ajudar com meu trabalho diversos jogadores e jogadoras sem qualquer tipo de preconceito. À Tiffany dou meus parabéns pela grande atuação e conquista e a todos que se sentiram ofendidos reitero minhas desculpas, pois jamais foi minha intenção”

A ex jogadora Ana Paula Henkel usou as redes para dar sua opinião:

“Leio que a militância a favor de trans no esporte feminino e contra as mulheres atacou Bernardinho por ele ter dito a verdade, que Tiffany tem um ataque de homem. Minoria barulhenta que quer empurrar a todo custo que sentimentos são mais importantes que fatos e biologia. Não são. Num post de um perfil LGBT que ataca brutalmente Bernardinho por ter dito a verdade, a lucidez é mostrada exatamente nos comentários da própria comunidade gay que, em absoluta maioria, não concorda com homens biológicos competindo, vencendo e batendo recordes de mulheres.”

É importante ressaltar que a aprovação de Tifanny como atleta veio do Comitê Olímpico Internacional, que estabelece critérios de nível de testosterona no corpo para classificar as categorias “feminino” e “masculino” do esporte. Segundo a endocrinologista Berenice Bilharinho de Mendonça, referência nacional em distúrbios do desenvolvimento sexual e consultora do COI para inclusão de pacientes latino-americanos com distúrbios do desenvolvimento sexual no esporte, há uma perda de força grande quando se perde o nível desse hormônio no corpo. em matéria ao UOL, ela disse:

“É importante pontuar que Tifanny tem uma produção de testosterona bem abaixo do que apresenta uma mulher cis. Uma vez que você retirou a fonte de testosterona, ela perde muito a força que tinha. Mas quanto tempo você precisa para retirar completamente o efeito dessa testosterona? Não há estudos que determinem isso. Quando você tira a testosterona, o que fica com o indivíduo de ganho em relação a mulher cis? Essa é a resposta que não se tem por enquanto, não há estudos especificamente sobre isso. Há outras mulheres tão altas e fortes quanto (Tifanny). E o vôlei não é só altura, tem que saber jogar também. A questão aqui deveria ser o direito da pessoa fazer esporte ou participar de qualquer coisa dentro do sexo social que pertence, e isso para mim é impossível de se recusar”

Cineminha? Dumbo e filmes com Julianne Moore e Natalie Portman 5 dicas na Netflix para este final de semana

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.