A revista Veja desta semana contém a primeira entrevista concedida por João de Deus depois de preso preventivamente em 16 de dezembro, acusado de abusar sexualmente de mulheres que buscavam tratamento espiritual. A matéria de Hugo Marques contém suas perguntas e as respostas por escrito do réu, em entrevista intermediada pelo advogado Alberto Toron.

De acordo com um laudo encomendado pela defesa e escrito pelo psiquiatra Leo de Souza Machado, João de Deus pensou em se matar. Debilitado, não cuida da higiene, anda com roupas sujas de urina e chora com frequência.

“(João de Deus) só não cometeu suicídio pois ainda tem sua filha pequena e não quer morrer sem voltar a vê-la, além de não querer ‘contrariar a Deus’”

Na entrevista, João de Deus fala sobre a vida no cárcere, e as dificuldades de saúde que enfrenta aos 77 anos. Além de problemas crônicos como hipertensão arterial, dificuldade de andar, perda de 17 quilos, insônia, tontura… Em resumo, o retrato de um senhor com saúde frágil, que recebe poucas visitas e é tratado como todos os outros presos:

“Tenho vergonha de dizer, mas até para sentar na privada eu tenho dificuldade.”

O réu reafirmou que não praticou nenhum abuso contra ninguém e aproveitou as indagações para colocar em dúvida as denúncias contra ele:

“Eu tenho dificuldade de entender como pessoas se dispõem a falar de coisas ocorridas há quarenta anos. Mais do que isso, acho inacreditável que uma pessoa que se sinta violentada volte outras vezes para ser atendida. Não faz sentido.”

Mais uma vez, João de Deus desmentiu a própria filha, dizendo ser mentira o relato dos abusos que ela conta que sofreu desde os 11 anos. O réu justificou a posse armas, questão pela qual também responde me justiça. disse o mesmo que o que divulgou o MP. Que ficou com armas de pessoas que desejam usá-las para ferir outros ou a si mesmos. Dentro dessa resposta, ao eu ver, um ponto interessante. Ele disse:
“Não uso arma, e ninguém que se disse abusada falou no emprego de arma.”
O repórter também perguntou se o réu sabia do suicídio da ativista Sabrina Bittencourt, que ajudou a compilar as primeiras denúncias de mulheres que o acusam de violência sexual. Ele disse que muita gente diz que essa história de suicídio é uma invenção, que não saberia dizer e que cabe à Justiça investigar.

Sobre sua fortuna, calculada em R$100 milhões, João de Deus contou que trabalha desde criança, e que quando jovem foi para Serra Pelada e juntou 4 quilos de ouro no garimpo. Ali foi investindo em fazendas e gato, e vivendo sempre sem luxos. Aproveitou para dizer que não cobrava pelas sessões mediúnicas, que ele espera poder continuar a realizar, pois disse confiar na Justiça.

 

Cineminha? Capitã Marvel vocês já sabem, mas tem um nacional bastante interessante Tristes números do feminicídios no Brasil

One thought on “Veja faz primeira entrevista com João de Deus depois da prisão”

  1. CELSO

    OS REPORTERES BRASILEIROS ADORAM ENTREVISTAR BANDIDOS, PEDÓFILOS, DESAJUSTADOS MENTAIS E ARTISTAS IDIOTAS FAZENDO DELES HERÓIS, PROMOVENDO SUAS ATROCIDADES. QUAL A VANTAGEM DISTO? ESTES INÚTEIS MALFEITORES DEVEM SER ESQUECIDOS NA CADEIA E NÃO ENALTECIDOS.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.