Suzane Von Richthofen queria impedir a publicação de um livro baseado em sua vida. O Tribunal de Justiça de São Paulo indeferiu o pedido de liminar, e agora a defesa da detenta recorreu da decisão.

O livro Suzane – Crime e Punição, do jornalista Ullisses Campbell, conta a história de um dos crimes mais famosos e chocantes da história do Brasil. Parte do momento em ela conheceu Daniel Cravinhos. Para desenhar o assassinato de Manfred e Marísia von Richthofen, pais de Suzanne, o autor teve acesso, por exemplo, a depoimentos de Suzane feitos a psicólogos do sistema carcerário, nos quais ela fala sobre o que pensa sobre o crime que cometeu. Ele também entrevistou uma série de pessoas,  além de tratar do crime em si, abordará também a vivência da detenta no cárcere.

Por enquanto, o lançamento do livro está mantido para o início de 2020, pela Editora Contexto.

A defesa de Suzane alegou que a detenta “repudia veementemente” o livro, que “já vem pagando pelo crime que cometeu” e que “tem o direito ao esquecimento” para que possa “continuar com a sua vida”. Também falou de “uso indevido de imagem” e um “fundado receio de dano irreparável” que pode ser causado com a publicação.

O autor replicou em entrevista à Folha:

“Ela alega que o livro vai desabonar a sua honra. Mas o que desabona a honra é o crime, não o livro, que se limita a contar a história de um dos crimes de maior repercussão do país”.

A decisão da juíza Larissa Gaspar Tunala, tomada em outubro, cita o entendimento do STF de que biografias não autorizadas podem ser divulgadas a despeito da autorização do biografado.

O crime também vai estar nas telas do cinema em 2020. Serão duas produções relembrando o caso A Menina que Matou os Pais e O Menino que Matou Meus Pais. 

Relembre:

Suzane foi condenada a 39 anos de prisão em 2002 por envolvimento na morte dos pais, assassinados a pauladas pelos irmãos Daniel e Cristian Cravinhos enquanto dormiam. Ela cumpre pena na Penitenciária Feminina Santa Maria Eufrásia Pelletier, em Tremembé, no interior de São Paulo.

 

50 da morte de Marighella Ferramenta da Netflix permite que usuários acelerem episódios. Queremos?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.