E eu não estou falando de um stress básico não. No caso do Japão, eu tô falando em casos de suicídio. Pois é, os caras tem até um nome para indicar morte por excesso de trabalho: karoshi. O caso famosos mais recente, levou ao pedido de demissão, em dezembro de 2016, do presidente da Dentsu, maior agência de publicidade do Japão. O cara renunciou depois da morte de uma funcionária que havia trabalhado 105 horas extras de trabalho no mês anterior a sua morte.

Agora, o governo japonês quer incentivar as empresas a liberarem seus empregados mais cedo na última sexta-feira de cada mês. A chamada premium friday é apoiada pelo Ministério da Economia, Comércio Exterior e Indústria do Japão e entra em vigor a partir do dia 24 de fevereiro. A iniciativa é legal, mas a adesão à campanha é voluntária,  e nem mesmo o órgão do governo decidiu se vai adotar.

“A campanha Premium Friday é uma iniciativa para encorajar o público a aproveitar oportunidades de enriquecer experiências pessoais para felicidade e diversão, por exemplo fazer compras, jantar fora com a família fora e fazer turismo, ou arranjar tempo para esses fins”

Ou seja, a tentativa é de limitar a carga horária de trabalho excessiva e estimular o consumo, isso mesmo, incentivar o consumo num momento de deflação. De acordo com estudos, se a maioria dos trabalhadores, inclusive os de empresas de pequeno e médio porte, participar, o consumo privado poderia aumentar cerca de US$ 1,6 bilhão em cada Sexta-feira Premium.

Agora, esse novo direito dos trabalhadores franceses é invejável. Desde o primeiro dia deste ano, os funcionários conquistaram o direito de ignorar e-mails ou mensagens de celular ligados ao trabalho em horários de folga. A nova lei, apelidada de direito de se desconectar faz parte de uma série alterações nas leis trabalhistas, que foram aprovadas em maio, sendo que esta foi a única das medidas do pacote que não gerou protestos. Outras tratavam, por exemplo, da facilitação para a contratação e demissão de funcionários.

A nova lei protege o funcionário de sofrer de estresse, Síndrome de Burnout (esgotamento físico e mental), problemas do sono e dificuldades nos relacionamentos, livrando-o da obrigação de responder mensagens de celular e e-mails. Mas a nova lei não prevê sanções às companhias que desrespeitarem os limites.

Deu ruim para Azealia Banks Demi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.