Vamos lá. Eu, que não entendo nada tênis, vou tentar explicar pra vocês o que aconteceu com Serena Williams durante a final do US Open nesse sábado. A americana perdeu o jogo para a campeã, Naomi Osaka, e durante a partida levou três advertências do árbitro de cadeira, Carlos Ramos.

Revoltada, chegou a chamá-lo de ladrão, perdeu um game inteiro no segundo set e até chamou o supervisor do torneio em quadra. Outra acusação feita pela jogadora é de que a atitude do árbitro seria sexista.

Você não pode voltar no tempo. Eu não posso sentar aqui e dizer que não o chamei de ladrão porque eu acho que ele tirou um game de mim. Mas, eu tenho visto outros homens chamarem os árbitros de muitas coisas. Estou aqui para lutar pelos direitos das mulheres, por igualdade e essas coisas. Para mim, dizer que ele é ladrão e ele me tirar um game, me parece uma atitude sexista. Ele nunca tirou um game de um homem que o chamou de ladrão.Isso “explodiu” minha cabeça. Mas, vou continuar lutando por igualdade. Como a (Alizé) Cornet poder trocar de camisa sem receber uma punição.

Tudo começou no início do segundo set, quando ela levou advertência por ter recebido instruções de seu técnico, Patrick Mouratoglou. A americana negou e bateu-boca com o árbitro. Depois, irritada, Serena quebrou a raquete e levou uma segunda advertência, perdendo um ponto no sétimo game. Antes do término do jogo veio o xingamento de ladrão, e assim uma terceira advertência , que a fez perder um game no 5/3. Então foram um  warning, um point penalty e um game penalty.

Serena diz que não recebeu instruções do técnico, algo que não é permitido, mas existem imagens que mostram ele fazendo gestos para a americana durante a partida.

A jogadora, que já tem 23 títulos do Grand Slam, foi multada e terá de pagar 17 mil dólares: 4 mil dólares por falar com o seu treinador de forma irregular, 3 mil dólares por arremessar a raquete no chão e 10 mil dólares por chamar o árbitro de ladrão. Essa valor será retirado da premiação de US$ 1,85 milhão que ela receberá pelo vice-campeonato do US Open. 

Um comunicado emitido ontem, por Steve Simon , diretor da WTA, Women’s Tennis Association, ressalta a importância de se garantir condições iguais pára homens e mulheres e ainda se reavaliar a questão de se ter o técnico presente em quadra:

“A final do US Open de ontem resultou na coroação de uma nova campeã, Naomi Osaka. A WTA aplaude Naomi pelo seu tremendo desempenho. Ontem também trouxe à tona a questão de se saber se diferentes padrões são aplicados a homens e mulheres na arbitragem de jogos. A WTA acredita que não deve haver diferença nos padrões de tolerância fornecidos às emoções expressas por homens versus mulheres e está comprometida em trabalhar para garantir que todos os jogadores sejam tratados da mesma forma. Não acreditamos que isso tenha acontecido ontem à noite. Também achamos que a questão do ‘coaching’ precisa ser abordada e que deve ser permitida em todos os esportes. A WTA apoia o ‘coaching’ na regra de treino dentro do court, mas é necessário uma revisão adicional”

Oscar terá categoria para premiar melhor filme popular. Não, pera. Anitta solteira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.