Pois olha que isso pode render indenização! A Telefônica foi condenada pela Terceira Turma do Tribunal Superior do Trabalho a pagar R$ 3.500,00 para  um vendedor, e exatamente por enviar mensagens de WhatsApp fora do horário de expediente.

As mensagens ainda eram meio ameaçadoras: falavam em  demissão caso não se cumprissem as metas de desempenho.

Na ação, o funcionário diz que a pressão excessiva prejudicou sua vida privada, imagem pessoal e integridade psicológica. Com o relato de testemunhas, ele conseguiu provar que os funcionários eram obrigados a responder às mensagens na mesma hora e aqueles que não se manifestavam eram questionados depois pelo gerente.

Para o relator do recurso, ministro Alexandre Agra Belmonte, a conduta da empresa invadiu a privacidade da pessoa, “que tem outras coisas para fazer e vai ficar se preocupando com situações de trabalho fora do seu horário”, dizendo ainda  “Se não era para responder, por que enviar a mensagem por WhatsApp? Mandou a mensagem para qual finalidade? Se não era para responder, deixasse para o dia seguinte. Para que mandar mensagem fora do horário de trabalho?”

A empresa ainda não se manifestou sobre a decisão, diferente da determinação em primeira instância, que dizia: ‘a pressão por cumprimento de metas é inerente à função de vendedor, e a conduta da empresa neste sentido, por si só, não caracteriza assédio moral’.

 

E vocês? Acreditam que qual determinação é a correta?

Anitta, Jacuzzi , prêmio e Alesso. Sextouuuuu! A primeira dama Michelle de Paula Firmo Reinaldo Bolsonaro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.