Roger Waters, ex-líder do Pink Floyd, se apresentou para um Allianz Parque cheio na noite de ontem. A turnê Us + Them é recheada de críticas políticas, o que não é nada incomum em shows de Waters. O presidente dos EUA, Donald Trump é um dos alvos preferidos, assim como Theresa May e Emmanuel Macron.   Na apresentação em são Paulo, durante a faixa Pigs, o telão exibia em português: “Donald Trump é um porco”.

Tudo começou ao final da faixa Another Brick in The Wall, quando no telão foi exibida a palavra RESIST (resistir). Nesse momento , parte do público puxou um coro de #EleNão

Após a música Eclipse, Waters exibiu no telão a hashtag #EleNão:

Ainda no telão, o Brasil apareceu como um dos países sob ameaça de fascismo e também a tag #EleNão. Entre os mais de 45 mil presentes, alguns aplaudiram a posição do artista, mas as vaias e até xingamentos se sobrepuseram.

O ex-líder do Pink Floyd se justificou:

“Sou contra o ressurgimento do fascismo. E acredito nos direitos humanos. Prefiro estar num lugar em que o líder não credita que a ditadura é uma coisa boa. Lembro das ditaduras da América do sul e foi feio”

E todo momento em que a tag #EleNão foi exibida, mais manifestações. Parte do público chegou a puxar mais uma vez o coro de “ele não”, enquanto a outra puxava um “fora PT”.

Sabe o Google+? Não. Pois é, acabou. Taylor Swift > Whitney Houston no American Music Awards

One thought on “Roger Waters e a tag #EleNão”

  1. LUIZ CARLOS DE LUCA

    HOJE, QUALQUER UM PODE CRITICAR E FAZER OPOSIÇÃO AO PT, MAS CONTRA O FASCISMO DOS IMBECIS BOLSONETES, NÃO!!! PORQUE O FASCISMO NÃO TOLERA OPOSIÇÃO!!! O FASCISMO CALA E MATA!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.