O Estado de São Paulo entrevistou Regina Duarte, apoiadora do candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL). A atriz justificou algumas colocações consideradas homofóbicas e racistas dizendo que Bolsonaro tem “humor brincalhão típico dos anos 1950, que faz brincadeiras homofóbicas, mas que são da boca pra fora, coisas de uma cultura envelhecida, ultrapassada”.

Regina disse que resolveu vir a público apoiando o candidato quando o conheceu pessoalmente, descartando voto em Alckmin e Amoêdo. Antes, sua opinião era de que Bolsonaro seria “bruto, ignorante e violento”.

“Mas, quando conheci o Bolsonaro pessoalmente, encontrei um cara doce, um homem dos anos 1950, como meu pai, e que faz brincadeiras homofóbicas, mas é da boca pra fora, um jeito masculino que vem desde Monteiro Lobato, que chamava o brasileiro de preguiçoso e que dizia que lugar de negro é na cozinha. Eu tinha algumas opções de voto, como o (Geraldo) Alckmin e o (João) Amoêdo, mas, nesse momento, me caíram fichas inacreditáveis, como as omissões do PSDB. Foi tudo ficando muito feio. Quantos equívocos, quantos enganos! Foi quando notei o tamanho da adesão desse país ao Bolsonaro e pensei: eu sou esse país, eu sou a namoradinha desse país.”

Regina acredita que a imagem que as pessoas tem do candidato se devem a imagens editadas em que só se pode ver a reação do candidato e não de quem o provocou. O que transparece nessas edições, segunda ela, não define o estilo de Bolsonaro, que seria “brincalhão, machão.”

“Acredito que 80% dessas reações eram brincadeiras dele: você manda uma porrada e ele devolve outra. O homem com quem conversei durante 65 minutos quer chegar lá democraticamente, seguindo todas as regras das nossas instituições. Ele não estudou filosofia, mas o importante é seu preparo para nos proteger da roubalheira descarada. Bolsonaro é fruto do País, é resultado dos erros monstruosos do PT e da falta de mea-culpa.”

Regina também falou sobre a famosa frase “Estou com medo”, contra Lula, 2002:

“Hoje, se tivesse de dizer alguma coisa para a juventude, usaria minha experiência do depoimento de 2002, quando disse ter medo do Lula. Eu estava completamente alienada, pois o Lula já havia ganhado a eleição. Aí fui botar a cara na TV, feito uma tonta, para falar de um sentimento, de uma intuição tão particular. Não me arrependo, mas, se pudesse voltar no tempo, teria me informado melhor sobre o que estava acontecendo naquele momento. O País queria o Lula e fui dar a cara a tapa à toa.”
Perguntada sobre qual deveria ser o primeiro passo do novo governante, Regina concluiu a entrevista com a questão da impunidade, que para ela é inadmissível
“Não quero angariar votos para o Bolsonaro, até porque ele não precisa. Mas porque quero ficar com a consciência em paz, ao gritar em nome dos sem voz, dos milhões de brasileiros humilhados por não poderem dar um berro de dor e indignação. É como assinar um cheque em branco. Mas prefiro um cheque em branco da esperança.”

 

EUA: Veja o que foi confirmado sobre os pacotes suspeitos enviados à lideranças democratas e apoiadores Anitta, Jacuzzi , prêmio e Alesso. Sextouuuuu!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.