A atriz Antonia Fontenelle entrevistou o pastor Silas Malafaia, e durante o papo declarou seu voto e se posicionou a favor do candidato à presidência da República, Jair Bolsonaro, do PSL. Malafaia fechou sua entrevista pedindo votos para que o candidato vencesse em primeiro turno e desmoralizasse os institutos de pesquisa, ao que a entrevistadora complementou, que apesar de não estar fazendo campanha para o candidato, ele tem sim seu voto.

“Não venham aqui me dizer que estou fazendo campanha para o Bolsonaro, mas eu já disse e repito: estou torcendo, sim, para que o Bolsonaro seja presidente desse país. Sou mulher, sustento os meus filhos, ajudo na criação da minha neta, não gosto de vitimismo”

Em paralelo, a campanha #EleNão ganha força entre atrizes e mulheres nas redes sociais. Depois de um ataque de hackers ao grupo que se opõem ao candidato no Facebook, que modificou o nome da manifestação para outro de apoio à Bolsonaro.

O grupo foi reativado na tarde deste domingo.

É importante ressaltar que o próprio Facebook desmentiu a disseminação de informações falsas sobre a iniciativa Mulheres contra Bolsonaro. O próprio filho do presidenciável e deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) havia dito que “uma página qualquer do Facebook tinha 1 milhão de seguidores quando foi vendida para a esquerda. Então, sem qualquer vergonha, eles mudaram o nome dela para ‘Mulheres Unidas Contra Bolsonaro'”.

De acordo com a rede social, isso não é verdade. De fato, o que aconteceu foi esse hackeamento posterior revertendo o nome da iniciativa, de contra para pró, e ainda a exposição de dados privados de algumas das administradoras da página. Depois desse acontecimento que muitas mulheres passaram a compartilhar em suas redes sociais seu posicionamento contra o candidato, usando tags como #EleNão, #EleNunca e #CoisoNão

Esse texto também tem sido compartilhado por muitas mulheres:

Nomes como Deborah Secco, Bruna Linzmeyer, Camila Pitanga, Letícia Colin, Alessandra Negrini, Fernanda Lima, Fernanda Young, Claudia Raia, Debora Falabella, as cantoras Pitty, IZA, Daniela Mercury e também a modelo Sasha, filha de Xuxa participam do movimento.

Hoje, o movimento já repercute a declaração do vice de Bolsonaro, o general Hamilton Mourão, que afirmou que famílias pobres “sem pai e avô, mas com mãe e avó”são “fábricas de desajustados”que fornecem mão de obra ao narcotráfico.

 

Revista Time é vendida por US$ 190 milhões Resumão do Emmy, com pedido de casamento e tudo mais.

One thought on “Para muitas #EleNão, para Antonia Fontenelle ele sim”

  1. julio

    a minha divergência também é moral contra quem apóia um presidiário a preisdente de um país. ou pior, apóia um indicado por um detento que junto com um partido saqueou o Brasil. MINHA DIVERG|ÊNCIA É MORAL SIM.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.