Com a conclusão da contagem votos do primeiro turno, que resultou em um segundo turno com Jair Bolsonaro e Fernando Haddad, eclodiu um aonde de discussão na internet. A distribuição geográfica dos votos no país mostrou que Bolsonaro não venceu em nenhum estado nordestino, e foi ai que a palavra nordeste foi para nos assuntos mais comentados nas redes sociais.

Os que são pró Bolsonaro começaram a postar mensagens de revolta, agressões e preconceito contra os eleitores da região. Em mapas compartilhados, o nordeste foi rebatizado de Venezuela ou Cuba.

Muitos analisavam que o resultado da votação teria sido resultado da dependência financeira:

“O nordeste não é vilão. É vítima. Por ser uma região mais pobre e menos desenvolvida, lá estão os mais fáceis alvos de para manipular pessoas em troca de alguma coisa básica. Pode ter certeza que eles queriam ter mais estudo, mais condições e precisar menos “vender” voto.”

“Quanto pior um cenário, mais as pessoas precisam de um guru, um deus, um salvador. O PT vende isso no nordeste. As pessoas mais necessitadas acreditam. Nós temos que desenvolver o nordeste, não culpa-lo.”

https://twitter.com/drmarllao/status/1049155029742104577

“Mano, sinceramente, Bolsonaro vai ter tempo de tv agora. É só falar diariamente que não vai acabar com o Bolsa Família (e não vai, conforme prevê seu programa de governo) que o Nordeste elege ele. Alguém repassa isso pra ele por gentileza. Vlw, flw.”

Vale lembrar que postagens de ódio contra nordestinos nas redes sociais caracterizam xenofobia, o que é crime no Brasil, previsto pela Lei nº 7.716, de 05 de janeiro de 1989. Denúncias podem ser feitas no site do Ministério Público Federal ou pelo telefone, discando 100.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Por outro lado, os que são contra a candidatura de Bolsonaro, postaram manifestações de carinho ao povo do nordeste:

Ben Affleck e a luta contra o vício em álcool E o Daciolo, lá, lalala la lá, laralalá, laralarilaá

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.