Em entrevista à revista People, a diva Mariah Carey falou pela primeira vez sobre lutar contra transtorno bipolar. A cantora lida com o diagnóstico desde 2001, quando foi internada por um colapso físico e mental.

Um dos maiores desafios para artista foi aceitar, e apesar do diagnóstico, a artista procurou tratamento apenas recentemente por conta do que ela chamou de “os dois anos mais difíceis que passou”:

“Até pouco tempo atrás, eu vivia em negação e isolamento e em constante medo de que alguém me expusesse. Era um fardo pesado para carregar e eu não conseguia mais. Eu cedi, recebi tratamento e coloquei pessoas positivas ao meu redor, para voltar a fazer o que amo, escrever canções e fazer músicas”

Aos  48 anos, e mãe de gêmeos, a cantora disse que viveu muitos períodos complicados, mas que hoje encontrou um bom tratamento. Ela foi diagnosticada com  transtorno bipolar do tipo 2, que inclui períodos de depressão, alteração de humor, insônia e irritabilidade.

“Eu ficava irritada e em constante medo de decepcionar as pessoas. Uma hora, bati na parede. Acho que meus episódios depressivos foram caracterizados por ter pouca energia. Eu me sentia sozinha e triste, até culpada de que não fazia o necessário para minha carreira”

“Eu estou tomando medicamentos que parecem muito bons. Não me deixam tão cansada ou coisa assim. Achar este equilíbrio é o mais importante. Por muito tempo eu tive de lidar com uma desordem severa no sono. “

Este equilíbrio deu segurança para que a artista falasse pela primeira vez sobre o assunto:

“Agora estou num lugar legal, estou confortável para discutir minhas lutas com o transtorno bipolar. Eu tenho esperanças de que podemos tirar o estigma das pessoas que passam por isso sozinhas. Isso pode isolar pessoas incrivelmente. Mas isso não precisa te definir e eu me recuso a deixar isso me definir e me controlar”

No Instagram, Mariah agradeceu:

I’m grateful to be sharing this part of my journey with you. @mrjesscagle @people

Uma publicação compartilhada por Mariah Carey (@mariahcarey) em

Cineminha? Rampage, longa nacional com Daniel Oliveira e novo filme de Roman Polaski Direto do Sofá: Seven Seconds vale a pena? Vinicius Moura diz que sim

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.