Ontem, foi exibida no Jornal da Manhã a entrevista gravada neste domingo, na qual José Luiz Tejon conversou com a ministra da AgriculturaTereza Cristina. Ela criticou a modelo Gisele Bündchen por afirmar que o Brasil desmata. Tejon perguntou:

“Quando a Gisele Bündchen fala que estamos desmatando, o mundo reverbera. Acho que estamos tendo um probleminhas de comunicação. É difícil essa competição comunicacional, não é não?”

A ministra respondeu:

“É verdade. É um absurdo hoje o que fazem com a imagem do Brasil. Infelizmente são maus brasileiros, [que] por algum motivo vão lá fora levar uma imagem do Brasil e do setor produtivo que não são verdadeiras”

Tereza Cristina discorreu sobre as leis de preservação, cumpridas inclusive por agricultores, e que apresentam, na opinião da ministra, resultados importantes e que destacam o Brasil:

“Desculpe, Gisele Bündchen, você devia ser a nossa embaixadora e dizer que o seu país preserva, que o seu país está na vanguarda do mundo da preservação, e não vir aqui no Brasil meter o pau sem conhecimento de causa”

Depois, houve um post no Twitter, um convite:

Será que a modelo vai aceitar? Sua assessoria ainda não respondeu sobre o convite e ainda não houve manifestação da modelo em suas redes sociais. Não é de hoje que Gisele encampa brigas pelo meio ambiente. Em junho de 2017, Michel Temer foi pressionado pela embaixadora da Boa Vontade pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, que pedia no Twitter que o então presidente vetasse uma proposta que “ameaçariam 600 000 hectares de área protegida na Amazônia brasileira“:

A modelo brigou pelo veto da redução da floresta de Jamanxim, no Pará, e também pelo recuo na anulação da Reserva Nacional do Cobre (Renca), no Pará e Amapá. Em 2016, imagens da modelo chorando ao sobrevoar áreas de desmatamento na Amazônia com certeza chamaram a atenção do mundo. Na segunda temporada da série documental sobre mudanças climáticas Years of Living Dangerously, da National Geographic, Gisele pode observar áreas desmatadas e queimadas, que se transformam em pasto para gado. A informação dada à modelo: a pecuária é responsável por 65% do desmatamento do bioma.

Dados recentes, divulgados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais mostram que o desmatamento na região amazônica é o pior em dez anos. Entre agosto de 2017 e julho de 2018, foram destruídos quase 8 mil km² de vegetação, o que equivale a 987.500 mil campos de futebol, mais de 1 bilhão de árvores foram derrubadas em um ano. Desde 2008, esse levantamento não apontava um desmatamento anual tão alto.

Em novembro, quando o governo de Jair Bolsonaro começou a discutir a possível fusão entre as pastas da Agricultura e Meio Ambiente, Gisele publicou uma carta aberta ao então presidente eleito. Ela pedia que não fosse permitido “um retrocesso de décadas de luta pelas florestas brasileiras”

14 de abril, marcada a data para acompanhar a oitava temporada de Game of Thrones Desfile anti-Bolsonaro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.