The Square, do sueco Ruben Östlund ( Força Maior,de 2014), ganhou a Palma de Ouro de melhor filme na 70º Festival de Cannes. O filme tem como protagonista um diretor de um museu de arte contemporânea, um cara legal, que cuida das filhas,  e se preocupa por exemplo com o meio ambiente e causas humanitárias. Na história, acontecimentos testam seus limites e escancaram sua estupidez. e quem não tem um pouco de estúpido, não é mesmo? É difícil falar de um filme que não vimos. Mas talvez a descrição de Pedro Almodóvar, presidente do juri, possa nos ajudar:

“Uma das grandes desgraças da atualidade é a ditadura do politicamente correto, e The Square fala do tema contando como seus protagonistas vivem um inferno por isso.”

O diretor já tinha obtido destaque com seu filme anterior Força Maior, que ganhou o Prêmio do Júri da seção Um Certo Olhar e quase chegou ao Oscar.

Sofia Coppola foi escolhida a melhor diretora por O Estranho Que Nós Amamos. Esteve ausente no recebimento do prêmio, mas ficou para a história do festival que em seus 70 anos só havia premiado uma mulher nessa categoria, a soviética Yuliya Solntseva, em 1961, por The Chronicle of Flaming Years.

A produção é uma adaptação do romance de Thomas Cullinan que já foi levada aos cinemas em 1971 por Don Siegel, quando Clint Eastwood foi protagonista. A história trata da saga de um soldado confederado (Colin Farrell) que, ferido, é acolhido por uma escola para mulheres. A diretora desta escola é vivida por Nicole Kidman,

Além das premiações tradicionais, a 70ª de Cannes atribuiu um prêmio especial à atriz <3 Acontece que Nicole está em quatro produções exibidas durante o festival, duas delas em competição: O Estranho que Nós Amamos, de Sofia Coppola, e The Killing a Sacred Deer, de Yorgos Lanthimos,  que venceu como melhor roteiro ( dividindo com You Were Never There) . O Prix du 70ième Festival, concedido em celebração do 70 anos do evento, foi oferecido à atriz pela sua trajetória e empenho no aumento do espaço para mulheres cineastas.

A melhor atriz foi Diane Kruger, que na produção alemã In the Fade, de Fatih Akin, vive mãe de família que busca vingança pela morte de seu marido e filho em um atentado cometido por neonazistas.

Como melhor ator venceu Joaquin Phoenix , por viver um soldado, veterano da Guerra do Vietnã, que faz o justiceiro querendo livrar garotas de uma rede de prostituição. O filme se chama You Were Never Really Here, dirigido pela escocesa Lynne Ramsay.

]

O diretor russo Andrey Zvyagintsev (Leviatã, de 2014) recebeu o Prêmio do Júri por Loveless. O filme é um drama no qual um casal tenta reaver o filho desaparecido.

O vencedor mais aplaudido foi Robin Campillo, que levou o Grande Prêmio do Júri com seu terceiro longa-metragem, 120 Batimentos por Minuto. O filme se passa nos anos 90, quando na França os militantes do Act Up Paris protestam contra os laboratórios para defender os doentes de AIDS , e foca em histórias de amor que nasce entre dois desses manifestantes. O trailer é emocionante, ao som de uma versão de Enjoy The Silence , do Depeche Mode.

Palma de Ouro: The Square, de Ruben Östlund
Grande Prêmio do Júri: 120 Batimentos Por Minuto, de Robin Campillo
Prix du 70ième Festival: Nicole Kidman, pelo conjunto de sua carreira
Palma de curta-metragem: Une Nuit Douce, de Xiao Cheng Er Ye
Diretor: Sofia Coppola por O Estranho Que Nós Amamos
Atriz: Diane Kruger, por In The Fade
Ator: Joaquin Phoenix, por You Were Never Really Here
Roteiro: empate entre Killing of a Sacred Deer e You Were Never Really Here
Prêmio do Júri: Loveless, de AndreyZvyagintsev
Caméra d’Or (prêmio para diretor estreante): Jeune Femme, de Léonor Serraille
L’Oleil d’Or (melhor documentário): Visages, Villages, de Agnès Varda e JR
Prêmio da Crítica Fipresci: 120 Batimentos Por Minuto
Queer Palm (prêmio LGBT): 120 Batimentos Por Minuto
Prêmio do Júri Ecumênico: Radiance, de Naomi Kawase
Palm Dog (prêmio das entidades protetoras de animais): The Meyerowitz Stories
Prêmio François Chalais (láurea humanista do Ministério da Cultua da França): 120 Batimentos Por Minuto

EP. 01 - SEREAIS: GOT, OITNB, House of Cards e muito mais Recebendo a Mulher Maravilha de braços abertos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.