O filme que vai representar o Brasil para tentar um vaga entre os que concorrerão ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro estreou em Cannes. A Vida Invisível de Eurídice Gusmão, de Karim Aïnouz (  Céu de Suely e Viajo Porque Preciso, Volto Porque Te Amo), ganhou a mostra Um Certo Olhar, paralela à disputa pela Palma de Ouro.

O filme se passa na década de 1950. Duas irmãs, a jovem Eurídice, que sonha em ser pianista e a irmã Guida (Julia Stockler), sofrem sob o machismo institucional. Guida, foge jovem com o namorado e fica grávida, é então expulsa de casa. Eurídice (Carol Duarte), sem a irmã, tem de lidar com a “vida adulta” e um casamento sem amor. O filme é uma adaptação do livro de Martha Batalha. As irmãs são vividas por Carol Duarte e Julia Stockler, o elenco contra ainda com Gregório DuvivierMaria Manoella Fernanda Montenegro, que divide o papel de Eurídice com Carol Duarte  .

O filme teve seus direitos de exibição comprados pela Amazon, o que garante sua ampla exibição por streaming, e tem previsão de chegar aos cinemas em 31 de outubro. Na produção temos a RT Features, do brasileiro Rodrigo Teixeira , responsável pelos elogiados Me chame pelo seu nome, A Bruxa e do ainda inédito Ad Astra, estrelado por Brad Pitt.

Concorriam mais 11 filmes. Além de A Vida Invisível, tínhamos Bacurau, de Kleber MendonçaSimonal, de Leonardo Domingues ; Los silencios, de Beatriz Seigner ; Sócrates, de Alex Moratto ; A última abolição, de Alice Gomes; A voz do silêncio, de André Ristum; Bio, de Carlos Gerbase; Legalidade, de Zeca Brito, Humberto Mauro, de André Di Mauro; Espero tua (re)volta, de Eliza Capai e Chorar de Rir, de Toniko Melo.

Foram duas horas de reunião na Cinemateca Brasileira, e a comissão especial da Academia Brasileira de Cinema, presidida por Anna Muylaert ( Que Horas Ela Volta?) , revelou que A Vida Invisível obteve 5 dos 9 votos. Os outros quatro foram para Bacurau.

Bacurau, de Kleber Mendonça, era de certa forma o favorito, já que também estreou em Cannes, mas na mostra principal, na qual levou o importante prêmio do júri. Considere também que esta já era a segunda vez do cineasta recifense concorrendo à Palma de Ouro. A primeira, em 2016, ficou marcada por um  ato anti-impeachment de Dilma, no tapete vermelho de Aquarius. 

Bacurau estreia nesta quinta e é definido em sinopse assim:

Num futuro próximo, Bacurau, um povoado do sertão de Pernambuco, some misteriosamente do mapa. Quando uma série de assassinatos inexplicáveis começam a acontecer, os moradores da cidade tentam reagir. Mas como se defender de um inimigo desconhecido e implacável?

A última vez que o Brasil emplacou uma produção para nos representar na categoria de melhor filme estrangeiro foi em 1999, com Central do Brasil, de Walter Salles. Pelo mesmo filme, concorreu como melhor atriz, Fernanda Montenegro. Contando com 1999, fomos 4 vezes indicados à categoria de melhor filme estrangeiro na história da premiação: por O Pagador de Promessas (1963), O Quatrilho (1996) e O Que É Isso, Companheiro? (1998). Nunca vencemos.

Agora, em dezembro, em data ainda não anunciada, teremos a lista com os dez semifinalistas na categoria de Melhor Filme Estrangeiro. Os cinco indicados e que concorrerão ao Oscar serão divulgados pela Academia no dia 13 de janeiro do ano que vem 2020. Já a revelação do vencedor, acontece na cerimônia de entrega dos prêmios, dia 9 de fevereiro, em Los Angeles.

Taylor Swift faz bonito no VMA 2019 Cineminha? Bacurau, Yesterday e Anna

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.