A esposa de Jair Bolsonaro, Michelle de Paula Firmo Reinaldo, 36 anos é discreta. Nascida e criada em Ceilândia, Distrito Federal, Michelle cursou até o ensino médio. Na Câmara, trabalhou no setor administrativo, onde conheceu e começou a namorar Bolsonaro.

Em 2007, depois de ser secretária na sala da liderança do PP, foi levada pelo então deputado para trabalhar em seu gabinete. Casaram no papel no mesmo ano. Em 2008, o Supremo Tribunal Federal determinou que não poderia haver nepotismo no serviço público, Michelle foi então exonerada do cargo.

A festa e cerimônia religiosa aconteceu em 2013, celebrada pelo pastor Silas Malafaia.

Com Jair, Michelle tem uma filha de oito anos, chamada Laura ( “no quinto (filho) eu dei uma fraquejada, e veio uma mulher”), para isso o agora presidente teve de reverter um vasectomia. Michelle tem também uma filha adolescente, de um relacionamento anterior. Este é o terceiro casamento do presidente eleito, que é pai de cinco filhos: Flávio, eleito senador no RJ, Carlos, vereador também no RJ, e Eduardo, reeleito neste ano deputado federal por SP, todos do casamento com Rogéria Nantes Nunes Braga. É pai ainda de Renan, que teve com Ana Cristina Siqueira Valle (envolvida no caso exposto pela Folha, que mostrava um documento do Itamaraty, de 2011, em que ela dizia ter sido ameaçada de morte por Bolsonaro)

Na campanha apareceu pouco, apenas na última quinta-feira, quando descreveu o marido:

“Jair é um cara muito humano, que se preocupa com as pessoas. Ele é muito brincalhão, muito natural, muito dado. Tem um brilho no olhar diferenciado. Ele é um ser humano maravilhoso, é o meu amor, né? ”

Também na propaganda eleitoral, soubemos de um programa da primeira dama dedicado às pessoas com deficiências. Jair apresentou Michelle como defensora da causa.

“Uma mulher forte e sensível, dedicada à causa das pessoas com deficiência”

A primeira dama é fluente na Língua Brasileira de Sinais e é envolvida nas causas de pessoas com deficiência, fazendo parte do Ministério de Surdos e Mudos da Igreja Batista Atitude, na Barra da Tijuca, no Rio. Por lá atua como intérprete de libras nos cultos e ensina a linguagem dos sinais.

“Minha mãe ensinou que a gente não podia negar água nem comida pra ninguém. E a gente cresceu com isso. Eu tenho um tio surdo, e ele que plantou essa sementinha na minha vida. Me despertou amor pelas libras, fui estudar e aprendi sozinha, e esse amor só foi aumentando. ”

Evangélica praticante, foi ela quem levou o marido, católico, para participar da igreja. Ele inclusive foi batizado no Rio Jordão, em Israel, em 2016, pelo pastor Everaldo Dias, da Assembleia de Deus e presidente do PSC, partido com o qual romperia em 2017.

Michelle era frequentadora da igreja Assembleia de Deus Vitória em Cristo, do pastor Silas Malafaia, mas após a ruptura política de Bolsonaro e do bispo, passou a frequentar a Igreja Batista Atitude:

Neste sábado, Michelle Bolsonaro falou com o Jornal Nacional, e falou o que achou quando o marido disse querer ser candidato à Presidência:

“Deve estar maluco, mas, se ele quer, vou apoiá-lo. Agora, está nas mãos de Deus”.

A nova primeira dama também falou do seu desejo de se envolver com causas sociais:

“É um chamado que eu tenho, né? Tive essa aproximação com as pessoas com deficiência, os surdos, eu tive um tio surdo também. Tenho muito amor por essa comunidade. Quero fazer o melhor”.

Michelle Bolsonaro também conversou com a Record:

Sabe aquele Whatsapp de trabalho, enviado fora do expediente? Hello, Bolsonaro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.