O ator Leonardo DiCaprio publicou uma foto feita na Terra Indígena Ianomâmi, em Roraima, em 23 de novembro. A imagem mostra 120 indígenas em formação, na qual se lê a mensagem “Fora Garimpo“. Em texto, o ator critica a possibilidade de abertura das terras indígenas brasileiras para a mineração.

“Fora garimpo” – uma poderosa mensagem dos povos Yanomami e Ye’kwana do Norte do Brasil para o mundo. Apesar das leis brasileiras considerarem ilegal a mineração nas terras indígenas Yanomami, milhares de garimpeiros entraram recentemente no parque, uma das maiores reservas indígenas do Brasil, e espalharam malária e contaminaram os rios com mercúrio”

“A invasão ocorre após o corte no orçamento das operações policiais da Amazônia no Brasil, deixando as áreas protegidas vulneráveis ​​à exploração. A última vez em que houve uma invasão dessa escala foi na década de 1980, quando cerca de um quinto da população indígena morreu devido à violência, à malária, à desnutrição, ao envenenamento por mercúrio, entre outras causas. Em um recente encontro das lideranças Yanomami e Ye’kwana, os povos enviaram uma carta às principais autoridades do Executivo e do Judiciário brasileiro. “Não queremos repetir essa história de massacre”

A proposta do governo Jair Bolsonaro também não tem aceitação popular. Uma pesquisa do Datafolha, contratada pela organização não governamental Instituto Socioambiental mostra que 86% dos brasileiros discordam da permissão à entrada de empresas de exploração mineral nas terras indígenas.

O Ministério Público Federal acredita que a proposta viola a Constituição Federal e a convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho, que prevê a necessidade de consulta aos povos indígenas em caso de medidas que os afetem. O MPF entrou com ações para que a Justiça cancele processos de mineração em 48 terras indígenas no estado do Pará, afirmando que o registro dessas áreas em terras indígenas pode gerar pressão e invasões.

O presidente disse que, além de liberar mineração nas áreas protegidas, pretende incluir a regulamentação da agricultura e pecuária comerciais em terras indígenas na proposta que será enviada ao Poder Legislativo em 2020.

“O preço da carne subiu. Nós temos de criar mais bois aqui, para diminuir o preço da carne e eles podem criar boi.
O índio vai poder fazer em sua terra o que o fazendeiro faz na dele
Se quer pegar a sua terra e arrendar para alguém plantar soja ou milho, faça isso, respeitando a legislação nossa.”

 

Danilo Gentili X Marcius Melhem Cinemas X Netflix

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.