Aos 103 anos de vida, Kirk Douglas descansa. O ator e cineasta americano, morreu nesta quarta-feira depois de lidar com problemas de saúde desde que teve em 1996, um acidente vascular cerebral.

Trabalhou em mais de 80 filmes, e chegou a produzir como cineasta nos anos 70. O pai de Michael Douglas foi indicado ao Oscar em 3 ocasiões, e venceu um Globo de Ouro por seu papel em Sede de Viver, em 1956. Kirk também recebeu o prêmio por sua filmografia, o prêmio especial Cecil B. DeMille, além de um Oscar honorário por todos os seus feitos no mundo do cinema:

O artista ainda foi três vezes indicados ao Emmy, a premiação mais importante da televisão americana.

Michael Douglas falou sobre o pai:

“Para o mundo, ele era uma lenda, um ator da idade de ouro dos filmes que viveu seus anos dourados, um humanitário cujo compromisso com a justiça e as causas em que ele acreditava estabeleceram um padrão que todos nós temos que buscar”

View this post on Instagram

It is with tremendous sadness that my brothers and I announce that Kirk Douglas left us today at the age of 103. To the world he was a legend, an actor from the golden age of movies who lived well into his golden years, a humanitarian whose commitment to justice and the causes he believed in set a standard for all of us to aspire to. But to me and my brothers Joel and Peter he was simply Dad, to Catherine, a wonderful father-in-law, to his grandchildren and great grandchild their loving grandfather, and to his wife Anne, a wonderful husband. Kirk's life was well lived, and he leaves a legacy in film that will endure for generations to come, and a history as a renowned philanthropist who worked to aid the public and bring peace to the planet. Let me end with the words I told him on his last birthday and which will always remain true. Dad- I love you so much and I am so proud to be your son. #KirkDouglas

A post shared by Michael Douglas (@michaelkirkdouglas) on

Entre seus papéis emblemáticos, o escravo Spartacus, no filme de 1960, o pintor Vincent van Gogh, em Sede de Viver (1956) e a lenda do velho oeste Doc Holliday, de Sem Lei e Sem Alma (1957)

2 filmes para você ver no cinema e um já disponível na Netflix! Fantasias de Carnaval: entre acertos e polêmicas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.