Na última semana, o diretor de Tecnologia, Empreendimentos e Meio Ambiente da Sabesp, Edison Airoldi, apresentou uma palestra intitulada “O Novo Rio Pinheiros” ao Conselho de Política Urbana (CPU) da Associação Comercial de São Paulo, a ACSP. Na ocasião, Airoldi falou sobre o passo a passo do projeto de despoluição do Rio Pinheiros, que prevê intervenções nas áreas das sub-bacias dos afluentes do rio, onde vivem 3,3 milhões de pessoas, além de ações socioambientais para engajamento da população.

O diretor explicou aos presentes que o projeto envolve um investimento de R$1,5 bilhão por meio de 14 pacotes de licitação – este, configura uma das principais promessas e, ao mesmo tempo, um dos principais desafios do governo do Estado de São Paulo até 2022, após diversas tentativas em gestões anteriores que não foram bem sucedidas.

Mas, para além das medidas governamentais, o diretor destacou a importância das ações socioambientais para engajar a população, principalmente aquela de maior vulnerabilidade social, na recuperação dos cursos de água do entorno do Rio Pinheiros. “Não adianta limpar o Pinheiros sem tratar o resto. Sem a conscientização e envolvimento da sociedade, fica inviável”, pontuou.

Na ocasião, Antonio Carlos Pela, vice-presidente de relações municipais da ACSP e coordenador geral do Conselho de Política Urbana (CPU) da entidade, lembrou dos efeitos da despoluição do Rio Pinheiros sobre a população – em especial nos bolsões mais pobres da cidade, carentes de saneamento. “É de interesse geral tornar o Rio Pinheiros mais saudável para São Paulo, e não mais um enorme esgoto a céu aberto”, disse. O coordenador ainda afirmou que, por meio da ACSP, o CPU sempre trabalhou para os habitantes da cidade terem melhor qualidade de vida e, assim como na elaboração do Plano Diretor, o Conselho participará propondo mudanças e sugestões: “O comércio ganha, o governo ganha, e o paulistano ganha. Nesse caso, atingindo a população no que ela é mais sensível: a saúde”.

 

 

* Com informações da assessoria de imprensa da ACSP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *