“Ah, eu conheço uma pessoa que tem fetiche por pés”

“Meu marido gosta de me ver usar fantasias”

“Eu sinto prazer em fazer sexo com outras pessoas assistindo”

Fetiche é uma palavra que às vezes aparece nas conversas sobre sexualidade, nos grupos de amigas, e algumas vezes com tabus e preconceitos.

Mas todo mundo sabe exatamente o que é?

Fetiche nada mais do que um fator, muitas vezes externo, como uma roupa, um objeto ou uma parte do corpo, por exemplo, que causa mais excitação/tesão maior.

Se identificou? Consegue reconhecer se existe algo assim que você goste? Vale uma fantasia, ver o outro ou você mesma vestir uma peça de roupa do sexo oposto, uma performance…

Se você está pensando, mas com vergonha de admitir a resposta, vamos falar agora sobre a parte “polêmica” dos fetiches. Muita gente se questiona se é algo “errado”, ou que talvez possa “fazer mal” para o casal”. Será?

Para tornar a conversa mais clara, é importante a gente entender que algo faz mal – seja relacionado à sexualidade ou não – quando é uma compulsão ou obsessão (ou seja, foge do controle) e passa a atrapalhar a vida, ou quando é a única maneira de conseguir sentir prazer.

Nessas situações, inclusive, é importante procurar ajuda especializada, afinal a sexualidade, com ou sem fetiches, deve ser saudável e prazerosa.

Mas se você percebe que o sexo fica mais gostoso, ou que você se sente mais excitada com essa preferencia, aproveite! Fetiche não é nada além de mais uma possibilidade dentro da sexualidade, que não está relacionado a identidade de gênero ou orientação sexual.

Importante ressaltar que respeitar os nossos limites e dos outros é fundamental, então antes de curtir o seu fetiche, esteja certa de que o outro concorda plenamente com a escolha. Consenso é imprescindível!

 

paulanapolitano

Psicóloga clínica, pós graduada em Terapia Sexual e em Terapia Cognitivo Comportamental. Também é autora do livro "Sexplicando: sexualidade sem mitos e tabus".