Você se masturba?

Se a sua resposta foi sim, parabéns! O assunto ainda é tabu, e muitos ainda veem como algo estranho ou até mesmo errado a mulher se masturbar, buscar prazer em si mesma. Segundo uma pesquisa da Universidade de São Paulo, realizada em 2017, 40% das brasileiras não têm este costume.

O preconceito surgiu lá trás, quando o sexo “para prazer” era uma ação permitida apenas aos homens – para as mulheres era para procriar. Foi somente no final do século XX que uma mulher se masturbar deixou de ser visto como doença ou pecado, e chegou-se ao consenso de que é algo normal.

Mais do que normal, aliás, a masturbação é muito valiosa e importante para o prazer, o autoconhecimento e a relação sexual. Com frequência, é através da masturbação que as mulheres aprendem a chegar ao orgasmo, ter prazer consigo e inclusive ensinam o (a) parceiro (a). É comum que mulheres que nunca se masturbaram também nunca tenham chegado ao orgasmo. Atenção com a terceirização do prazer e do orgasmo.


Mas como se masturbar?

  • Escolha um lugar tranquilo e apropriado, para que você possa ficar sozinha, sem medo de ser interrompida, e se sentir segura e relaxada. Cama, banheira e sofá podem ser boas opções.
  • Conheça o seu corpo. Pegue um espelho e olhe a sua região genital, toque-se. Saiba o que é o que, onde fica cada parte, como funciona. Um grande aliado será o clitóris, protuberância mais sensível e normalmente de maior prazer.
  • Prepare o ambiente e sua cabeça. Esqueça os tabus e foque o seu pensamento nos benefícios dessa autodescoberta, do seu prazer, do seu momento, de aprender a chegar ao orgasmo e poder compartilhar isso com o (a) seu (sua) parceiro (a). Deixe uma iluminação mais baixa, coloque uma música, acenda velas aromatizadas, passe loção hidratante pelo seu corpo. Explore os 5 sentidos. Se prepare para um momento prazeroso e erótico com você mesma.
  • Crie um momento sensual. Quando falamos em orgasmo, sabemos que existe um processo para “chegar lá” – de forma simplista, começa pelo desejo sexual, que leva à excitação sexual e, aumentando aos poucos, chega ao clímax (orgasmo). Para que não seja apenas um toque mecânico, você pode usar fantasias sexuais, contos eróticos, vídeos eróticos, áudios eróticos, o que preferir. Entre neste mundo sexual, sensual e erótico.
  • Muitas mulheres já me disseram que tentaram e não sentiram nada. Não vale o “toquei um pouco e parei”. É preciso que o desejo e excitação aumentem, e para isso é necessário dedicar tempo a esse toque: não segundos, e as vezes nem poucos minutos.
  • Comece tocando o corpo todo. Depois aos poucos, avance para a região genital, usando a sua mão e dedos, passe por toda a vulva, lábios, vagina, clitóris. No clitóris, toque-o devagar, não aperte muito (é uma parte bastante sensível). Experimente toques, intensidades e velocidades diferentes. Você pode usar os dedos para penetrar a vagina ao mesmo tempo que toca o clitóris, ou o toque indireto do clitóris, por cima da calcinha, ou um travesseiro Vibradores para clitóris e para penetração na vagina também são algumas opções. Descubra-se.
  • Lembre-se de tudo que você já aprendeu até hoje, cada coisa teve o seu tempo, umas mais e outras menos, mas com certeza, todas exigiram alguma prática. A masturbação é a mesma coisa. Como tudo na vida, é com a prática que chegamos à excelência – e não à perfeição, pois ela não existe! Cuidado com a idealização que pode levar à frustração.

Cada um é único, e somente você poderá saber qual é a melhor maneira, melhor toque, melhor lugar. Você é a melhor conhecedora de você mesmo.

 

 

paulanapolitano

Psicóloga clínica, pós graduada em Terapia Sexual e em Terapia Cognitivo Comportamental. Também é autora do livro "Sexplicando: sexualidade sem mitos e tabus".