Em que momento, foi definido um padrão para “O corpo ideal”? Quem dita as regras do que é ser bonita, e quando que o “ser bonita” virou sinônimo de “ser magra”?

Em busca de um corpo capa da revista, muitas adolescentes, acabam prejudicando sua autoestima, e até mesmo, sua saúde física.

Do outro lado da moeda, temos uma parte da sociedade que é assolada pela ansiedade, e encontra na comida, um acalanto e uma válvula de escape. Segundo estimativas, transtornos alimentares atingem 5% da população mundial. Só no Brasil falamos de 10,4 milhões de pessoas, e a grande maioria, é atingida ainda na fase adolescente.

Porém, além de dietas irregulares, má alimentação e oscilações temperamentais, os distúrbios alimentares, podem decorrer de diversos outros fatores. A pessoa que sofre desse mal apresenta baixa autoestima, perfeccionismo e uma distorção da imagem corporal.

Além de aspectos biológicos e psicológicos, fatores como: influência familiar, o trabalho, traumas da infância, situações estressantes e até a constante pressão cultural, podem contribuir para o desenvolvimento de um distúrbio alimentar.

Para entender mais sobre esse assunto, no segundo episódio do Saí de casa, convidamos a Psicóloga Fabíola Luciano, que é especialista em terapia cognitiva e comportamental, e desenvolve um trabalho em diversas áreas como depressão, ansiedade, fobias e transtornos alimentares – O episódio também contou com a participação da Nutricionista Lara Nesteruk.

O segundo episódio do Saí de casa, já está disponível nas principais plataformas de áudio.

Por Sandro Christy