Você sofre com a Tensão Pré-Mentrual (TPM)?

Há quem diga que é apenas uma “frescura” feminina, que nem existe, ou ainda que olhe para os sintomas com preconceito. Já ouvi muitos relatos de mulheres que, por falarem de forma mais ríspida em um ambiente de trabalho, ou mesmo em casa, receberam um “nossa, tá naqueles dias” como resposta. Você já passou por isso?

A TPM faz parte do ciclo menstrual, e por vir antes da menstruação carrega uma oscilação hormonal bastante grande, o que pode ou não afetar as mulheres. Sempre bato na tecla de que somos únicos, e por isso há diferentes formas de impacto da TPM. Algumas mulheres podem não sentir, outras podem ter sintomas mais fracos, há quem sofra com isso de maneira mais acentuada, quem sinta em um mês e não sinta no outro.

A verdade é que não existe uma regra, nem mesmo para quais serão as sensações. A TPM pode aparecer na forma de carência, pode te deixar mais sensível, pode te fazer ter vontade de chorar, de comer mais doces, ou se sentir mais irritada. Você se identifica com algum deles?

Mas Paula, e o que eu posso fazer? Mais uma vez, a palavra que vai te ajudar é ela: AUTOCONHECIMENTO. Quanto mais você consegue identificar e reconhecer os seus sintomas e como eles se apresentam, mais você pode refletir e trabalhar em busca de maneiras para amenizá-los, fazer coisas que te ajudem a se sentir melhor e passar da melhor forma por essa fase do ciclo menstrual.

Outra coisa importante de observar é: esses sintomas só aparecem na TPM ou eles se intensificam durante este período? Às vezes são sentimentos do dia a dia que acabam passando despercebidos em meio à rotina, e que algumas mudanças de hábito podem ajudar. Se você é daquelas que sente mais vontade de chorar nos dias que antecedem a menstruação, que tal reparar se nos outros momentos você não tem engolido coisas que estão te magoando, e que “explodem” junto com os hormônios!

Vale também ter uma conversa com o/a parceiro/a para, primeiro, explicar o porquê você pode estar agindo de uma maneira diferente, e, assim, evitarem situações de atrito, estresse e brigas desnecessárias.

Como é a sua relação com a TPM?

 

paulanapolitano

Psicóloga clínica, pós graduada em Terapia Sexual e em Terapia Cognitivo Comportamental. Também é autora do livro "Sexplicando: sexualidade sem mitos e tabus".