Nossa conversa dos mitos da pornografia de hoje é sobre a ereção masculina, mas que tem tudo a ver com as mulheres também.

É possível que você, ainda que inconscientemente, já tenha esperado do seu parceiro uma ereção mais longa e duradoura, “como nos filmes pornôs”. A verdade é que, na pornografia, a ereção acontece de uma maneira “absurda”, e as edições cortam todos os momentos reais em que os homens perdem a ereção, ou ficam “meia-bomba” – seja em função de mudarem de posição, por não estarem excitados o suficiente, ou até mesmo por estarem filmando. Sem contar que alguns atores fazem uso de medicamentos eretivos antes de entrarem em cena, o que auxilia no desempenho.

Mas o que é possível fazer quando a ereção diminui?

Nos pornôs, os homens param a cena, se masturbam e retornam somente quando estão 100% prontos novamente – e a gente não vem nada disso, né? Mas na vida real também pode ser assim… se durante a relação houve uma perda de ereção na hora de mudar de posição, ou porque parou para colocar a camisinha, aceite, é normal!

A ereção não é contínua ou intacta, muito menos aparece de uma hora para outra. Para ter ereção é necessário ter desejo, estímulo e excitação. Ela vai surgir a partir disso, e crescer ou diminuir de intensidade, a depender do que acontece na relação. Se estiver em um momento de baixa, volte a estimular o homem, o casal pode utilizar as preliminares e a masturbação como aliados!

O fundamental, como já falei aqui nos textos anteriores, é não buscar essa comparação com o que aparece nos filmes. Essa cobrança pela ereção pode levar até mesmo a disfunções, já que a cabeça de cima “atrapalha” a cabeça de baixo. Pensar nos problemas que a perda da ereção traz afasta o estímulo erótico e a percepção das sensações, e dificulta a manutenção da ereção.

Confira o vídeo e deixe de lado os mitos e tabus relacionados à sexualidade para que você possa aproveitar ainda mais o seu prazer.

 

paulanapolitano

Psicóloga clínica, pós graduada em Terapia Sexual e em Terapia Cognitivo Comportamental. Também é autora do livro "Sexplicando: sexualidade sem mitos e tabus".