O periódico científico PRS-Global Open publicou uma revisão sistemática dos casos de perda de visão relacionados ao preenchimento facial. Dos 190 casos analisados, 47% foram associados à injeção isolada de gordura, número maior do que os relacionados a preenchimento com preparações de ácido hialurônico (28%). O restante teve relação a outros tipos de preenchedores.
Analisando cada caso individualmente, o trabalho mostra que o uso de ácido hialurônico pode ser tratado, total ou parcialmente, com injeções emergenciais de hialuronidase, desde que o tratamento seja instituído no período de 60 a 90 minutos após o preenchimento. Com isso, as cegueiras associadas ao ácido hialurônico demonstraram menor gravidade do que as associadas a preenchimento com gordura.

Com a palavra, o especialista

Luís Felipe Maatz, cirurgião plástico com especialização em cirurgia geral e cirurgia plástica pelo Hospital das Clínicas e membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, explica como evitar as complicações citadas.
“Apesar de ter uma incidência baixa, todo procedimento estético pode ter complicações, algumas simples e outras mais graves. A busca por cirurgiões plásticos ou dermatologistas que tenham conhecimento anatômico e experiência nos procedimentos em face faz com que a chance de ocorrência de um evento como esse diminua”, orienta.
“Além do mais, profissionais com especialização possuem a capacidade de instituir o tratamento de maneira  adequada e no tempo certo, diminuindo a chance de sequelas. Busque sempre um profissional que seja capaz de conduzir todo seu tratamento com tranquilidade e que tenha o conhecimento necessário para tratar qualquer intercorrência relacionada ao procedimento estético”, complementa ele.

Segundo Maaz, todo paciente que procura um tratamento estético deve tomar os seguintes cuidados:

– Buscar um médico especialista habilitado e experiente (nos sites da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica ou da Sociedade Brasileira de Dermatologia você pode verificar se seu médico é especialista na área);
– Não esconder nenhum eventual problema de saúde: sempre conte ao médico sobre uso de medicamentos, doenças e antecedentes pessoais;
– Avisar ao médico sobre qualquer alteração na área em que foi realizado o procedimento ou qualquer sintoma associado: quanto mais rápido o diagnóstico e tratamento de uma complicação, maior a chance de evolução sem sequelas.

Paty Moraes Nobre

https://jovempan.uol.com.br/guiasp

Jornalista e agitadora cultural, atuou como repórter em rádios como Jovem Pan e Band, videorrepórter na TV Cultura, editora de notícias, lifestyle, TV e Cultura nas empresas Globo.com, Editora Globo, Caras e Portal iG. Casada e mãe, escreve sobre gastronomia no Portal UOL, é colunista da Exame Vip, da Editora Abril, e coordenadora das plataformas Mulheres da Pan e Revista Guia SP, da Jovem Pan.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *