No segundo vídeo da série “Desmistificando a pornografia” eu resolvi abordar os “corpos perfeitos” que aparecem nos filmes pornôs, e a maneira como ainda nos comparamos a eles.

É claro que a comparação com o corpo sarado, a barriga tanquinho e a magreza vem também de outros lugares (quase todos, na verdade), como revistas, séries e redes sociais, mas na pornografia vamos além: há uma busca até pela padronização dos genitais.

Pênis sempre grandes (como falei no último texto), depilados e muitas vezes até circuncidados; já as vulvas aparecem todas rosadas, com os grandes lábios perfeitos, os lábios internos simétricos.

Mas será que isso é a vida real?

Certamente não. Mas a idealização desses corpos perfeitos cultuada e reforçada em produtos como a pornografia leva à consequências muito além das frustrações e insatisfações.

Por exemplo: você sabia que o Brasil é o país que mais realiza cirurgias íntimas no mundo?

Essa busca pelo irreal é perigosa, e precisa nos acender o sinal de alerta: não existe um tipo único, ou um formato mais ou menos bonito de vulva e de pênis. Há um tempo já compartilhei uma reflexão bem interessante sobre o assunto:

Você já se viu insatisfeita com alguma parte do seu corpo, ou até mesmo com a sua vulva, por comparar com imagens “perfeitas” compartilhadas por aí?

Vamos desmistificar mais esse tabu?

 

paulanapolitano

Psicóloga clínica, pós graduada em Terapia Sexual e em Terapia Cognitivo Comportamental. Também é autora do livro "Sexplicando: sexualidade sem mitos e tabus".