Brexit, o termo em inglês da junção das palavras British (Britânico) e exit (saída), denomina a saída do Reino Unido da União Europeia.
Os capítulos dessa novela internacional de inúmeros pedidos de adiamento têm muito a nos ensinar sobre ilusão e arrependimento, garante o filósofo Fabiano de Abreu ao EVA. “A Inglaterra e seus ‘capachos’, Irlanda e Escócia, parecem crianças divididas pensando com qual brinquedo vão jogar. São como adolescentes idealistas e divididos pela emoção e a razão, essa última que não se faz prevalecer”, explica ele.
Para Fabiano, esses países estão, metaforicamente, brincando com algo muito sério. “E as consequências poderão ser de uma nova Inglaterra, nome dado a uma cidade americana, vivendo uma nova realidade de esquecimento tardio”, imagina.

Ilusão

Segundo o filósofo, muitos ingleses se iludiram e votaram “sim” para o Brexit por acreditarem que a medida diminuirá o fluxo migratório de povos refugiados em busca de melhores condições. “O ser humano tem a mania de acreditar no que convém. É fácil induzir uma sociedade com problemas. Qualquer coisa pouco plausível pode ser aceita”, analisa.

“Há quem aproveita-se de uma situação momentânea, dos problemas, para criar uma realidade inventada para manipular. Ou seja, uma ilusão dentro de uma realidade inventada, mas que parece plausível. Pois nem toda razão é uma razão universal e, sim, criada por alguém”, explica.

Arrependimento

De acordo com Fabiano, assim que surgem as consequências dos atos é que pode aparecer junto o sentimento de arrependimento, como um casal que se separa sem refletir verdadeiramente antes de tomar uma decisão que pode não ter volta.

“Tudo tem uma consequência, que eu chamo de razão final. É a verdade como resultado de uma decisão. E é a partir disso que vem o arrependimento. Às vezes, não sabemos o domínio da razão quando não se é vidente, se é que existe vidência. Então, temos que pensar muito antes de tomar uma atitude”, finaliza.

LEIA TUDO SOBRE O BREXIT

 

*Fabiano de Abreu é jornalista e filósofo de natureza. Após lançar o primeiro livro, ‘Viver Pode Não Ser Tão Ruim’, em meados de 2016, no Brasil, em Portugal, em Angola e no Paraguai, os textos e frases passaram a ser usados em grandes universidades como a de Coimbra, em Portugal e Gregório Semedo, em Luanda. Após fazer parte da Mensa como membro, passou a disponibilizar-se a grupos de filósofos internacionais. Tornou-se pesquisador ao buscar conteúdos para os meios de comunicação e rádios do Brasil e de Portugal. Apelidado de filósofo sem influência, cria frases filosóficas sem influências de outros filósofos e utiliza de psicólogos para aprovar suas teorias. Seu novo livro, ‘Filosofando a Imprensa’, deve ser lançado ainda este ano.
Fabiano, ao lado de Almiro Moreira, ex-técnico economista e estatístico do Banco Central Europeu, Henrique Damas e Luis Esteves

Paty Moraes Nobre

https://jovempan.uol.com.br/guiasp

Jornalista e agitadora cultural, atuou como repórter em rádios como Jovem Pan e Band, videorrepórter na TV Cultura, editora de notícias, lifestyle, TV e Cultura nas empresas Globo.com, Editora Globo, Caras e Portal iG. Casada e mãe, escreve sobre gastronomia no Portal UOL, é colunista da Exame Vip, da Editora Abril, e coordenadora das plataformas Mulheres da Pan e Revista Guia SP, da Jovem Pan.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *