Último texto de 2020! E que ano vivemos, não é mesmo?

A pandemia do novo coronavírus nos trouxe uma situação completamente nova: surgiram diversas emoções, tivemos que lidar com muitos desafios, crises, dificuldades, medos, angústias, sofrimento, intolerância à incerteza, perda de controle, monotonia, em alguns casos solidão absoluta, em outros o convívio constante com a família…

Que atire a primeira pedra quem não sentiu o impacto no equilíbrio mental e emocional! Mas uma coisa deve ser levada para o próximo ano: fizemos o que foi possível!

Minha sugestão para reflexão neste fim de ano é olhar o lado positivo do que passou, o que deu para aprender nas adversidades, e não apenas com negatividade, com o que não pode ser feito, ou como gostaríamos que tivesse sido. Podemos escolher olhar o futuro com mais esperança, acreditar na chegada da vacina, nas novas possibilidades que o novo ano traz – sem deixar de lado todos os cuidados, é claro!

Vamos valorizar e agradecer o que temos? Este ano trouxe a oportunidade de rever valores, de pensar o que realmente é importante, entender a falta que fez estar perto de amigos e familiares, a sorte de ter um ambiente seguro, e tantas outras particularidades que com certeza você aprendeu a dar mais atenção neste ano.

Desejo que os últimos dias de 2020 sejam tempo de florescer, de crescer e de aprender – seja na convivência familiar (com a devida proteção), aprendizados financeiros, de compaixão, de autoconhecimento, do que nos importa, de alimentar a plantinha dos relacionamentos…

Obrigada a todos e todas que estiveram juntos aqui nesta coluna semanal, desmistificando e descomplicando a sexualidade comigo!

Não estamos sós! Juntes somos mais fortes!

paulanapolitano

Psicóloga clínica, pós graduada em Terapia Sexual e em Terapia Cognitivo Comportamental. Também é autora do livro "Sexplicando: sexualidade sem mitos e tabus".