Em algum momento já tinha ficado claro que a relação não fazia nenhum sentido, mas mesmo sabendo do quanto devia sair dali, acabar, sumir, a ideia de romper te provocava arrepio na espinha, medo, insegurança.

Essa ambivalência perdurou algum tempo, até que não teve jeito, não existia outra alternativa, o lance ficou sem escapatória! Vocês tiveram que terminar.

Foi uma mistura de sentimentos, ora alívio, ora saudade. Sensação de missão cumprida e momentos de curiosidade, vazio, falta. Vai entender.

Foram inúmeras razões para não estarem juntos, você já realizou o grau da impossibilidade e do atraso de vida que é continuar insistindo, mas meu Deus! Quando menos você espera, lá estão os dois trocando mensagem, se esbarrando, se pegando e confundindo tudo de novo. Dá-lhe ressaca moral.

Isso tá longe de ser amor e sim uma droga, um vício infernal, que parece ter impregnado na sua cabeça. É duro de admitir, mas você se sente dependente da presença dele(a) e por mais que a consciência diga “não”, “nunca mais”, o emocional acredita que precisa, deseja, quer.

Para curar um vício é necessário primeiramente assumir tê-lo, para fazer algo sobre. Quanto mais frágil, mais propenso você se torna.

Perceba como essa relação te impacta e faz mal, reconheça seu retrocesso, aceite ajuda das pessoas que te querem bem e fique próxima(o) a elas. Procure aderir a atividades que preencham e ampliem sua mente, deixe-se influenciar por pessoas do bem que te amam e se importam com você.

Identifique gatilhos que te impulsionam a esse(a) ex e tente driblá-los, deixe de seguir, apague o contato, não mande e nem responda mensagens, se precisar, bloqueie. Evite ir à lugares que possa encontrá-lo(a), faça atividade física, cuide da alimentação, invista no fortalecimento do seu íntimo. Seja inteligente, se ajude.

Com a mente mais preenchida, nada de estímulos que possam lembrá-lo(a) e o coração aquecido de afeto, o seu elenco de prioridades vai mudando e sua força para suportar essa fase de reestruturação é mais efetiva.

Os dias vão se passando e a mente reestabelecida já enxerga a situação com outros olhos. Nada como um bom afastamento para promover o detox da sua saúde mental e resgate do autocontrole.

 

Pamela Magalhães

https://pamelamagalhaes.com.br/

Psicológa especializada em relacionamento e apresentadora do podcast Coração Peludo