Semana passada falei aqui sobre o desafio de criar, a partir do nada, uma nova rotina para crianças autistas, sobretudo as não-verbais, cuja compreensão de uma questão tão abstrata como a quarentena em que estamos vivendo permanece uma grande e angustiante incógnita.

Famílias que já trabalhavam com um quadro de atividades semanal têm meio caminho andado, basta substituir as atividades interrompidas por outras novas, a estabelecer. Meu filho ainda é pequeno para isso, mas os horários e sequências de dormir, acordar, comer, tomar banho, assim como os hábitos de brincadeira foram mantidos, de modo que é como estivéssemos em férias.

Como mãe de duas crianças pequenas, uma neurotípica e um autista, minha parca contribuição se limita às dicas que posso dar sobre o que tem funcionado aqui em casa e sobre exemplos ouvidos por aí. Nos grandes centros urbanos, muita gente mora em prédios cuja área de lazer também está fora de alcance no momento, então é preciso adaptar as atividades ao apartamento.

Nos dias quentes, piscina inflável, mangueira, ou mesmo baldes e bexigas com água na área de serviço, são meus melhores amigos e mantêm as crianças entretidas. Obrigada país tropical, abençoado por Deus e bonito por natureza!

Muita pintura com lápis de cor, giz de cera, canetinha e guache podem ser feitos em papel, cartolina, tela, lousa, caixas de papelão, lençóis velhos e o que mais estiver à mão. Depois de feita a arte, vem a exposição das obras: pendure-as nas paredes. As crianças ficam orgulhosas, o lar mais colorido e as fotos ficam lindas! Você só vai precisar de fita crepe. Sempre. Muita. Fita crepe. Teve filhos? Tenha fita crepe.

Amarelinha, cama elástica, sofás resistentes e colchões de mola são ótimas bases para pulos constantes e cansantes. Ninguém dorme melhor que criança cansada. Talvez só seus pais.

Rede ou balanço, que também pode ser feito de tábua, de pano, de lona, de borracha de pneu. Arrume um desses, uns metros de corda e um lugar onde pendurar e você terá filhos eternamente entretidos. Se não quiser ou não puder furar teto ou paredes, aquelas barras de exercício que se prendem entre batentes bastam.

Conscientização
Na última quinta-feira, dia 2 de abril, comemorou-se mais um Dia Mundial de Conscientização sobre o Autismo, efeméride definida em 2007 pela ONU, e que sem dúvida é importante para promover o conhecimento geral da sociedade sobre o espectro.

Muito já foi dito sobre o TEA graças a esse marco, mas muito ainda resta a dizer. Para aprofundar este debate, uma associação de autistas teve a iniciativa de criar, em 2005, o Dia do Orgulho Autista, celebrado em 18 de junho, e ainda não reconhecido pela ONU.

Deixarei para esmiuçar o assunto então. Anote e me cobre.

Joana Santana

Curiosa de nascença, obedeço aos chamados da vida. Por amor e vocação, virei jornalista, esposa e mãe. Meu mundo só fica maior.