Números divulgados recentemente pela Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (Isaps) mostram o crescente descontentamento de mulheres com a estética da região íntima.

Para essas insatisfeitas, a ninfoplastia (ou labioplastia) é um dos procedimentos indicados por cirurgiões plásticos. A técnica consiste na remoção de pele dos lábios vaginais. Segundo o Isaps, a ninfoplastia foi feita por 138 mil mulheres, em todo o mundo, e de todas as idades, em 2017. De acordo com o levamento, o Brasil é líder mundial em intervenções íntimas. De 2015 a 2017, o número de cirurgias desse tipo passou de 12.800 para 28.300.

Indicação da ninfoplastia

Para o cirurgião plástico Juliano Souto Ferreira, a redução dos pequenos lábios vaginais é indicada para finalidade estética, quando há incômodo psicológico durante as relações sexuais ou para casos em que o tamanho exagerado das estruturas causa dor no ato. “A cirurgia plástica pode melhorar a autoestima da mulher que se sente desconfortável com sua região íntima e previne infecções, pois o grande volume pode levar ao acúmulo de secreções de urina”, orienta o médico.

Cuidados no pós-operatório

Após o procedimento, segundo o especialista, a recuperação depende da paciente, mas a mulher pode retomar as atividades rotineiras no terceiro dia. É comum haver inchaço, vermelhidão e diminuição da sensibilidade por cerca de 15 dias. A cicatrização é completa depois de 30 dias e as relações sexuais podem ser retomadas após 30 ou 45 dias após a cirurgia. Também é importante marcar a cirurgia logo após o final da última menstruação, pois, caso o ciclo comece depois do procedimento, pode dificultar o pós-operatório.

Outras recomendações importantes são:

· Higienizar a região íntima com água morna e sabonete neutro durante o banho;

· Limpar a região com água e sabonete após urinar;

· Usar calcinhas frouxas de algodão e roupas confortáveis que deixem a região arejada.

Contraindicação

A ninfoplastia, alerta Juliano, não é indicada para pessoas com doenças crônicas como diabetes, hipertensão e insuficiência cardíaca ou com infecção ativa no local. Para quem fuma, a recomendação é abstinência por dois ou três meses antes da cirurgia.

Paty Moraes Nobre

https://jovempan.uol.com.br/guiasp

Jornalista e agitadora cultural, atuou como repórter em rádios como Jovem Pan e Band, videorrepórter na TV Cultura, editora de notícias, lifestyle, TV e Cultura nas empresas Globo.com, Editora Globo, Caras e Portal iG. Casada e mãe, escreve sobre gastronomia no Portal UOL, é colunista da Exame Vip, da Editora Abril, e coordenadora das plataformas Mulheres da Pan e Revista Guia SP, da Jovem Pan.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *