Você sabia que, pra cada dez mulheres, pelo menos oito sofrem dor nas costas? “Mas não é qualquer dor, não. É uma dor bem dolorida, que pode impedir a pessoa de fazer atividades importantes do cotidiano”, alerta o quiropraxista David Porto. A orientação do especialista é que, “assumir o protagonismo dos próprios atos e movimentos”, impondo a postura ereta e confiante enquanto caminha ou quando se senta, pode prevenir lesão e dor nas costas. A boa postura, portanto, também é uma forma de se empoderar diante da vida evitando se curvar demais ou se encolher nas tarefas diárias. O corpo também fala; preste atenção nele!

Má postura: a grande vilã

Dos vilões que causam dor nas costas, o pior é a má postura ao realizar tarefas simples, como carregar bolsa e sacola de compras, pentear o cabelo, cruzar uma perna sobre a outra ou pegar o filho no colo. “A má postura causa grande sobrecarga na coluna vertebral que pode evoluir para inflamações, lesões e degenerações mais severas”, continua David.

+ Síndrome do Impostor: você pode sofrer sem saber

O mito do repouso

De acordo com o médico André Evaristo, especialista em cirurgia de coluna e membro do corpo clínico do Hospital Sírio-Libanês, o excesso de repouso, o sedentarismo, muito tempo no trânsito e funções diárias que colocam as pessoas em uma única posição por longos períodos são as principais causas de dores e problemas na coluna.

“Até mesmo dentro da própria medicina, por certo tempo, acreditou-se que o caminho para aliviar as dores causadas por essa rotina da vida moderna seria o uso de analgésicos combinado com o repouso prolongado. Hoje, já conseguimos entender que para muitos casos é necessária e indispensável a prática de atividades físicas regulares para uma recuperação ideal”, explica o médico.

Exercício é o melhor aliado

Até um estudo realizado em 12 países, publicado no último ano pela revista cientifica “The Lancet”, observa que a atividade física é ponto chave para o tratamento mais eficaz do problema. De acordo com os pesquisadores, as dores ocorrem quando os músculos, que dão apoio estrutural e flexibilidade à coluna, enfraquecem e geram tensão nos nervos e demais estruturas da região lombar. Estima-se que o reforço muscular recupera cerca de 90% das lombalgias. E a rotina de treinamento faz com as crises sejam mais espaçadas e, com o tempo, até mesmo desapareçam.

Mais endorfina, por favor!

Um exemplo disso são as dores nas costas causadas por tensão muscular. A partir do momento em que os músculos estão tensionados, a coluna fica vulnerável as lesões. “Se a pessoa pratica algum esporte, as chances desses músculos permanecerem tensionados são muito baixas, porque haverá a liberação da endorfina, um hormônio ligado à sensação de relaxamento. Esse hábito causará o alívio das dores e automaticamente a prevenção de lesões”, diz Evaristo.

Outra situação é o quanto a musculação pode ajudar na estabilidade articular, ou seja, na capacidade de se mover e estabilizar em diferentes fases do movimento. Nesse caso, completa Evaristo, “o fortalecimento da musculatura além de resguardar a coluna, estimula a sua reconstrução, realinhamento, postura e perda de peso”, colaborando para o alívio e até desaparecimento da tão temida dor nas costas.

+ Mulheres sofrem mais os efeitos do álcool; entenda

Paty Moraes Nobre

https://jovempan.uol.com.br/guiasp

Jornalista e agitadora cultural, atuou como repórter em rádios como Jovem Pan e Band, videorrepórter na TV Cultura, editora de notícias, lifestyle, TV e Cultura nas empresas Globo.com, Editora Globo, Caras e Portal iG. Casada e mãe, escreve sobre gastronomia no Portal UOL, é colunista da Exame Vip, da Editora Abril, e coordenadora das plataformas Mulheres da Pan e Revista Guia SP, da Jovem Pan.