As Mulheres da Pan, no 25° episódio do programa, debateram o tema: abstinência sexual.

Após Damares Alves, a titular do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, informar que está elaborando uma campanha em favor da abstinência para retardar o início da vida sexual entre adolescentes, a Sociedade Brasileira de Pediatria emitiu um documento que será enviado à Ministra contestando a proposta

Para a entidade, as políticas voltadas para evitar o início precoce da vida sexual e alterar comportamentos de risco devem “reconhecer o direito que adolescentes e jovens possuem quanto à importância de conhecer seu próprio corpo e receber informações e cuidados adequados à saúde reprodutiva”.

A Sociedade Brasileira de Pediatria afirmou ainda que há “falhas científicas e éticas da abordagem focada exclusivamente em abstinência”, o que deixa “à margem adolescentes sexualmente ativos, os que já são pais, os que não se consideram heterossexuais e vítimas de abusos sexuais”.

 

Renata Barreto defendeu a elaboração da política proposta pela ministra Damares e criticou a Sociedade Brasileira de Pediatria.

“A ministra propõe uma conversa para que os pais e as crianças se conscientizem de que a pressão que existe da sociedade, para iniciar a vida sexual, não tem necessidade. Fico bem assustada que a Sociedade Brasileira de Pediatria não tenha parado para ouvir o que a ministra falou”, disse.

Mariana Brito falou sobre a educação sexual nas escolas. Ela acha que a educação tem de ser oferecida pelos pais e que a escola não tem de abordar o tema.

“A escola tem que ensinar Biologia, Anatomia e coisas que estão dentro do escopo da disciplina, não Educação Sexual”, ponderou a jornalista.

Angela Sousa disse ser a favor da abstinência sexual e apoia a ministra Damares Alves.

“Apoiei quando ouvi que a ministra estava propondo a abstinência como uma campanha de conscientização, porque acho que ela está fazendo o papel de muitos pais que não abordam esta questão dentro de casa. A ministra Damares se importa realmente com estas pessoas”, destacou.

Ana Paula Henkel acha que a proposta abre campos para outros debates como: gravidez precoce, doenças sexualmente transmissíveis e pedofilia.

“É simplesmente mais um ponto em um debate honesto e franco que temos que ter com nossos filhos”, alertou.

Religião, pastores evangélicos e banalização do sexo foram outros pontos debatidos pelas Mulheres da Pan neste episódio.

Confira!

Daniela Contin Garcia

Publicitária e Podcaster na Jovem Pan