Cerveja não é assunto exclusivo para homens e existem muitas mulheres envolvidas direta ou indiretamente no meio cervejeiro artesanal.

 

Para prestigiá-las, a Cervejaria Nacional, fábrica-bar localizada na região de Pinheiros, em São Paulo, convida mulheres renomadas na área para produzirem 500 Litros de cerveja de um estilo específico.

Desde 2012, o projeto denominado Musas tem o objetivo claro de ir em posição contrária às propagandas das grandes corporações, que muitas vezes objetificam a mulher em torno do produto.

View this post on Instagram

Dia 04 de fevereiro foi lançada a Saison de Muse, uma cerveja feita por mim, @daianecolla e @gui_macedogm para a @cervejarianacional por meio do projeto #musadoverao onde todo ano duas Mulheres do mercado são convidadas. Tendo nós como escolhidas, só podíamos provocar com uma cerveja de verão para harmonizar com charuto. E fizemos acontecer! E para agregar o evento foi realizado em um espaço dedicado a valorização feminina: e entre outras coisas, uma pizzaiola! E teve encontros, e boas experiências, e boas energias, e bons resultados! Obrigada a cada um que foi e contribuiu na construção desta noite! Um brinde a vocês que são razão da cerveja existir! #eusóqueroumacerveja #workhard #beer #cerveja #beerpairing #beerlife #beerandcigars

A post shared by Cazarine di Birra (@taigacazarine) on

Quebrando paradigmas

Neste ano, as convidadas foram as sommelières Daiane Colla, Mestre em Estilos, Avaliação de Cervejas e Harmonização pelo Siebel Institute of Technology de Chicago (EUA), e Taiga Cazarine, Mestre em estilos (ICB) e Técnica em produção de cervejas (Senai). As duas são juízas de campeonatos nacionais e internacionais do segmento e produziram para o Musas a cerveja do estilo Saison, batizada com o nome de Saison de Muse.

Além da paixão pela cerveja, as duas também adoram charutos. Por isso, a criação delas se atreve a quebrar diversos paradigmas de uma só vez: são duas mulheres fazendo uma cerveja de verão para harmonizar com charuto, que é geralmente associado a homens e bebidas escuras e mais pesadas.

Estilo Saison: Rústico e leve

O estilo era produzido antigamente em fazendas, de maneira bem rústica e com os insumos disponíveis no local. É uma cerveja leve, seca, refrescante com um perfil frutado que é característico da levedura belga. Uma cerveja clássica e extremamente elegante, com 6.9 % de álcool e 26 IBU (unidade de amargor).

As sommelières Daiane Colla e Taiga Cazarine com o mestre-cervejeiro Guilherme Macedo, da Cervejaria Nacional

Maluca, não!

Taiga é jornalista, mas, há muitos anos, tem como principal ocupação o cargo de Beer Huntress, ou seja, uma caçadora de cervejas, na Beer.com.br.

“Hoje em dia, muita gente olha e fala: ‘é o trabalho dos sonhos’. Eu amo, mas é uma atividade cheia de desafios como muitas outras e exige muita dedicação”, opina.

Recentemente, Taiga esteve em seis países explorando o mercado, julgou concursos internacionais e nacionais e foi responsável pela primeira harmonização de charutos e cervejas do interior de São Paulo. Tanta presença no mercado cervejeiro demonstra que ela chegou lá! Mas a opção de carreira dela não foi fácil nem houve aceitação da família logo de cara.

“Acharam que estava ficando maluca porque larguei emprego fixo e bom salário para começar um sonho: trabalhar com cerveja. ‘Mulher… gostando de cerveja?’, pensavam. Meu pai aceitava mas não se adaptava à minha escolha. Aos poucos, minha família foi entendendo que era possível ter um trabalho digno e sério mesmo estando numa mesa e num ambiente de bar. Agora, eles veem que é possível construir um profissionalismo”, conta Taiga.

O maior incentivador de Taiga foi o irmão mais velho. “Ele me ensinou a beber cerveja, mas, hoje, eu que ensino pra ele o que é cerveja de verdade”, brinca.

View this post on Instagram

Fotos lindas tiradas pela minha fotógrafa de iPhone preferida @rafadeconti 💕 durante a edição do Cerveja na Mala que aconteceu na última quinta, no @beerporiumpoa. Obrigada a cada um que compareceu @rafadeconti @femmefatalebyjeh @ruiva_cervejeira @ppiccinini @natashaeslabao @assuntinho @cuper @vicmorenos Um super obrigada também a @gabriellamollerp e ao Leandro, que fizeram tudo acontecer. . Já sabe o que é o Cerveja na Mala? Quer uma edição na sua cidade? Manda um e-mail ou faz contato por aqui e vamos fazer esse projeto ganhar o Brasil!!!! #cervejanamala #degustaçaoguiada #cerveja #beer #cerveza #cervejaartesanal #craftbeer #comerbeberharmonizar #drinklikeagirl #beerlover #craftbeerlover

A post shared by Daiane Colla (@daianecolla) on

“Minha mãe não entende”

Assim como Taiga, Daiane Colla também cursou Jornalismo antes de possuir experiência de mais de cinco anos em organização de cursos, concursos e festivais de cerveja. No entanto, ao contrário da amiga, Daiane teve apoio do pai, responsável por oferecer inúmeras experiências para a filha sem nenhum preconceito.

“Quando meu pai viajava, ele trazia alguma coisa pra eu degustar. Por isso, sempre gostei e me interessei por diversas bebidas. Depois de uma viagem, conhecendo cervejas de outros lugares, fiquei impressionada com a variedade. Já queria uma mudança na minha vida, que foi proporcionada pela cerveja. Meu pai já faleceu, mas minha mãe não entende muito bem o que faço até hoje”, diverte-se Daiane, que é colunista da Revista da Cerveja e do site Casa off Cubae.

View this post on Instagram

santé ao azedume 😝

A post shared by Luiza Tolosa (@luizatolosa) on

Cerveja de mulher

Atualmente, de acordo com dados do mercado nacional, o público feminino já chega a 50% do total de consumidores de cerveja. Apesar dessa aparente igualdade, segundo a sommelière Luiza Tolosa, ainda existe muito preconceito. “Mergulhei de cabeça nesse universo, que é bem masculino. Já ouvi muitos comentários machistas e a gente tem sempre que ficar respondendo a perguntas pra provar que a gente sabe de cerveja. Isso é muito chato”, conta Luiza, que é sócia-proprietária da cervejaria Dádiva, onde as mulheres são mais de 50% dos funcionários.

Para ela, que também participou do projeto Musa, da Cervejaria Nacional, em 2017, “o pior é ouvir comentários do tipo “cerveja de mulher”.

“A mulher pode estar em qualquer lugar, seja fazendo cerveja, bebendo cerveja ou falando de cerveja. Não existe de cerveja de mulher. Gosto depende de paladar e não de gênero”, complementa Luiza.

 

Como entrar no mercado

Apesar das histórias distintas, essas mulheres têm mais em comum do que o gosto por cerveja e charuto. Para elas, fazer parte do mercado cervejeiro é coisa de mulher, sim, mas é preciso estudar muito para obter respeito e prestígio no meio.

“Os cursos são legais, mas não basta apenas ter aulas. A carreira dependente muito mais da dedicação, das ‘Horas de copo’ que a gente fala. Isso não significa beber exageradamente, mas, sim, experimentar sempre produtos diferentes e buscar compreender as nuances das diversas cervejas”, indica Daiane.

“As mulheres dominam o assunto cerveja desde sempre. Agora, a gente só está comprovando”, finaliza Taiga.

View this post on Instagram

Umas mulheres porretas… e que fazem cerveja! Já ganharam meu coração 💛🍻 ***Pelo sétimo ano consecutivo a Cervejaria Nacional, fábrica-bar localizada em Pinheiros na capital paulista, lança em fevereiro a cerveja sazonal do projeto Musas de Verão. O Projeto Musas surgiu em 2012 com o objetivo claro de ir em posição contrária às propagandas das grandes corporações que muitas vezes objetificam a mulher em torno do produto. Além disso, o projeto visa mostrar que cerveja não é assunto exclusivo para homens e valoriza todas as mulheres que estão envolvidas direta ou indiretamente no meio cervejeiro artesanal. Todos os anos a Cervejaria Nacional convida mulheres renomadas na área para produzirem 500 L de cerveja de um estilo específico. Neste ano, as duas convidadas foram a Daiane Colla e Taiga Cazarine, que produziram junto ao mestre cervejeiro da casa, Guilherme Macedo, uma cerveja do estilo Saison e batizaram com o nome de Saison de Muse. O estilo escolhido, Saison, era produzido antigamente em fazendas, de maneira bem rústica e com os insumos disponíveis no local. É uma cerveja leve, seca, refrescante com um perfil frutado que é característico da levedura belga. Uma cerveja clássica e extremamente elegante, com 6.9 % de álcool e 26 IBU (unidade de amargor). . . . . . . . . . . . . . . . #cerveja #beer #cigar #charuto #sunset #praia #beach #sun #verão #summertime #girlpower #chopp #sommeliere #relax #body #drink #sextou #instagirl #photography #travel #blogueirasbrasil #landscape #brazil #braziliagirl #itsfriday #goodmorning #portrait #summerlovers #fashionglam #journalist

A post shared by Travel Lifestyle Business Food (@patymoraesnobre) on

SERVIÇO

Cevejaria Nacional: http://www.cervejarianacional.com.br/
Valores Saison de Muse: R$ 18 (330 ml) e R$ 27 (570 ml)

Paty Moraes Nobre

https://jovempan.uol.com.br/guiasp

Jornalista e agitadora cultural, atuou como repórter em rádios como Jovem Pan e Band, videorrepórter na TV Cultura, editora de notícias, lifestyle, TV e Cultura nas empresas Globo.com, Editora Globo, Caras e Portal iG. Casada e mãe, escreve sobre gastronomia no Portal UOL, é colunista da Exame Vip, da Editora Abril, e coordenadora das plataformas Mulheres da Pan e Revista Guia SP, da Jovem Pan.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *