Quando a Malu nasceu, fui surpreendida com uma constatação: O instinto materno não veio junto com o parto.

É isso mesmo que vocês leram. Eu não fazia ideia do que ia acontecer nos dias seguintes.

Troquei a fralda de todos os meus primos por anos e a dela vazava em toda troca.

Dei aula no ministério infantil da igreja, mas não conseguia fazer ela parar de chorar.

Amamentação não veio com um botão de liga e desliga e eu nem conseguia posicionar ela no meu peito.
Na verdade, acho que a única coisa que eu fazia bem era o “shhh shhhh” pra ninar ela (tirando o fato que ela não dormia, pelo menos se acalmava).

Meus pensamentos mais românticos e preconceituosos me diziam que mulher nascia pronta pra fazer isso… Mas eu não tinha ideia!

Conhecer um bebê leva tempo.
Suor, observação, tentativa e erro.

Aos poucos e com o passar dos meses, fui moldando o que chamam de instinto materno e entendendo choros, angústias e particularidades da minha filha.

Não foi do dia pra noite: lembro bem das vezes em que entreguei ela para o meu marido e me tranquei no banheiro pra chorar, culpada da frustração de ser a pior mãe do mundo.

Eu não estava sendo.
A mãe perfeita que idealizei na minha cabeça estava.

Por isso, minha amiga… Não se culpe se tiver um recém-nascido nos braços e o desespero bater.

Você está fazendo um trabalho incrível e essa história de instinto materno não vem junto com pacote de fralda.

Abandone essa mãe perfeita dentro de você e desamarre esses nós.
Só assim você vai conseguir abrir espaço pra seguir a mulher incrível que existe dentro de você, e vai por mim: essa não falha!

 

Me siga nas redes sociais: @seligamae

 

Você pode ouvir a primeira temporada do podcast Se liga, mãe completa clicando aqui.

Andressa Rosa

Eu era roteirista, aí virei mãe da Malu e nunca mais consegui parar de falar sobre isso. Hoje tenho um blog, um podcast e muita história boa pra contar!