Nove de cada 10 brasileiros não conseguem ficar longe do celular por mais de uma hora

Sete em cada 10 brasileiros acessam a internet, de acordo com a pesquisa TIC Domicílios 2018, realizada pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br). Outro levantamento, feito pelo We Are Social, aponta que passamos quase nove horas e meia por dia conectados em todos os nossos dispositivos – celulares, tablets, notebooks, smart TVs etc.

Que estamos cada vez mais conectados, não restam dúvidas. O que estudos agora começam a indicar são alguns comportamentos preocupantes sobre esta hiperconexão. Um levantamento realizado entre abril de 2018 e junho de 2019 pela Hibou com 2 mil brasileiros – entre 16 e 45 anos – indicou que apenas 35% deixam o celular no silencioso enquanto dormem. Além disso, 66% dos pesquisados (dois a cada três) costumam dar uma “olhadinha” no telefone durante a noite para checar notificações.

Pensa que acabou? Os dados divulgados pela Hibou ainda mostram que 91% dos brasileiros não conseguem ficar longe do celular por mais de uma hora. E 69% (sete a cada 10 pessoas) permanecem logados 24 horas por dia em ao menos metade dos aplicativos.

“Você tem uma nova notificação”: conexão demasiada causa estresse

A hiperconectividade vem gerando uma série de distúrbios, que muitas vezes se traduzem como causa ou consequência de problemas de saúde bucal. Um exemplo é o bruxismo, ranger ou apertar dos dentes que ocorre de forma mais recorrente durante o sono. Em boa parte dos casos, o distúrbio é gerado pela ansiedade e pelo estresse, que por sua vez podem ser resultado da atenção exacerbada a cada nova notificação sonora ou visual no smartphone.

Conforme o odontólogo Edmilson Pelarigo, diretor clínico da OrthoDontic, a ansiedade e o estresse ligados à hiperconectividade geram hábitos e manias que podem resultar em problemas mais sérios. “As pessoas hoje são muito cobradas em todas as pontas, no trabalho, nos relacionamentos etc.”, afirma Pelarigo. “Pacientes que têm o hábito ansioso de ficar mordiscando o canto do lábio, em longo prazo podem desenvolver um câncer bucal”, exemplifica.

Um a cada quatro pacientes no país consulta o Dr. Google

Outro reflexo curioso – mas também perigoso – da hiperconectividade é o fato de, antes de procurarem auxílio profissional, muitas pessoas buscarem “diagnósticos” na internet, em consultas com o famoso Dr. Google. Segundo dados do próprio portal de buscas, um a cada quatro brasileiros (26%) consultam o Google antes de decidirem buscar um médico ou dentista.

Na opinião de Edmilson, este fenômeno tem reflexos positivos e negativos para o paciente. “Hoje, a informação está no bolso. O paciente chega já falando o que tem, o que acha que o dentista tem que fazer”, comenta Pelarigo. “Mas, na verdade, nem todo tratamento é indicado para todas as pessoas. Às vezes, no caso daquele paciente, não dá para fazer aquele procedimento. Então, cabe ao profissional mostrar a ele se aquele tratamento é possível ou não”.

Paty Moraes Nobre

https://jovempan.uol.com.br/guiasp

Jornalista e agitadora cultural, atuou como repórter em rádios como Jovem Pan e Band, videorrepórter na TV Cultura, editora de notícias, lifestyle, TV e Cultura nas empresas Globo.com, Editora Globo, Caras e Portal iG. Casada e mãe, escreve sobre gastronomia no Portal UOL, é colunista da Exame Vip, da Editora Abril, e coordenadora das plataformas Mulheres da Pan e Revista Guia SP, da Jovem Pan.