Se você não é uma das 3,6 milhões de seguidoras da Thássia Naves no Insta, vou tentar definir o fenômeno. Está sempre rodeada do mais puro glamour 24/7 (24 horas, 7 dias por semana). Seu closet é nada menos do que estonteante, com roupas, sapatos e bolsas grifadas em profusão. Ele também é o cenário de alguns dos seus fashion films, que misturam moda, música boa, dancinhas e efeitos visuais que não a deixam para trás nenhuma influencer internacional, tanto no quesito qualidade, quanto no número de visualizações, que pode ultrapassar 700 mil, dependendo do dia.

O festival de imagens incríveis inclui viagens paradisíacas, penteados elaboradíssimos, makes primorosas, arranjos florais encantadores… tudo no superlativo… até as comidas parecem verdadeiras obras de arte… se alguém duvida, que dê uma bisbilhotada no seu “pitaya bowl”, que está entre as fotos recentes do feed e tem a receita completa no seu IGTV. Por tudo isso, ela foi considerada uma das maiores personalidades digitais “under 30” pela Forbes.

 

Mas agora, em tempos de Covid, outras atitudes se fazem necessárias. E ela conseguiu juntar o lado luxuoso do trabalho com ações para ajudar quem precisa. E usar toda a sua influência para o bem, divulgando causas sociais e promovendo a moda nacional. Além disso, a mineira de Uberlândia, 31 anos, é pura simplicidade na conversa. E conta como tem sido sua rotina em casa.

“Todo dia acordo pensando em algo diferente para fazer. Tenho aproveitado para malhar todo dia, que era algo que não conseguia fazer na minha rotina anterior, e organizar a casa. Penso também produzir conteúdos legais e dar andamento para projetos que estavam apenas no rascunho”

Entre as dificuldades que encontrou, uma das principais é a de “adaptar a rotina para o regime home office. Não é fácil, é preciso ter muita disciplina. Mas está sendo um bom momento para criar conteúdos”. Outra atividade para preencher o tempo em casa é cozinhar.

“Estou aprendendo a fazer novas receitas. Gosto de testar elas, especialmente aos finais de semana. Uma dica boa para essa época é usar a fruta toda para fazer shakes ou cremes, dessa forma evita-se sobras”.

Das coisas que mais sente falta, ela cita: “estar fisicamente com minha família, meus amigos e do meu afilhado. Abraçar pessoas que eu amo. De ver o movimento nas ruas sem termos medo do vírus. E também do contato mais próximo com a natureza”. E percebe em si uma mudança.

“Hoje estou valorizando muito mais esses momentos simples do dia a dia”.

A casa ganhou mais espaços úteis . “A sala virou meu home office para fazer calls, reuniões e gravações. E a área gourmet, que é um espaço externo, é ótimo para fazer exercícios. É lá que fazemos nossas refeições. O Artur [marido de Thássia] aproveita para usar a churrasqueira”, conta. Também tem passado o tempo lendo. O livro escolhido para o momento foi “Minha História”, de Michelle Obama. Das séries, ela se diz “viciada” em The Crown, sobre a vida da realeza britânica.

Quando a quarentena acabar, a primeira coisa que vai fazer é “visitar os pais e a irmã, que mora em São Paulo”. E o que esperar de mudanças depois desse período?

“Um mundo mais consciente e também muito mais empático, solidário, forte e unido”.

Que venha logo!

virnawulkan

Virna Wulkan é jornalista há mais de 20 anos, tendo trabalhado para algumas das maiores redações do país como UOL, Estadão (foram 9 anos como colunista no Suplemento Feminino), Contigo, Playboy e VIP. Além de ter sido colaboradora de veículos como Portal Caras, Glamurama, Marie Claire, Claudia, Boa Forma, entre outras. Sua expertise gira em torno de assuntos ligados à moda, beleza, entretenimento e celebridades – já entrevistou desde Kim Kardashian e Anitta, até Vitor Belfort e Juju Salimeni. Porquê todo mundo tem boas histórias para contar.