Os eventos de gastronomia que rolam para festejar a saideira de um dos melhores bares de cachaças do Brasil

Nas últimas décadas, tomou impulso o movimento para tirar os dois dedos de preconceito dos paladares e elevar as boas cachaças ao merecido patamar dos mais nobres destilados. O Empório Sagarana teve um papel importante nessa onda. O boteco surgiu em 2009 na Vlla Romana e, três anos depois, ganhou uma filial na Vila Madalena, logo apelidada de “Sagalena”. Ambos endereços conquistaram clientela fiel com seu ambiente de vendinha do interior e a prosa do proprietário Paulo Leite. Mineiro de Alfenas, ele começou como autodidata no assunto, acabou virando acadêmico com pós-graduação em tecnologia da cachaça pela Universidade Federal de Lavras e é conhecido atualmente como uma das maiores referências nacionais no assunto. A pequena e badalada rede paulistana da “marvada” acumulou vários títulos de melhor carta de cachaças da cidade, guardando em suas prateleiras de madeira mais de 600 rótulos da bebida. Aos poucos, cresceu também a oferta de cervejas artesanais e de drinks (surgiu até uma versão de rabo de galo finalizada com uma saúva). Em 2017 a matriz da Vila Romana trocou de mãos e de nome. Chama-se hoje Pingado e guarda ainda alguma semelhança com a receita original. Agora, é a vez do Sagalena sumir do mapa. Paulo Leite está passando o ponto na esquina das ruas Aspicuelta e Girassol para se dedicar à coordenação de vendas de uma empresa de destilados brasileiros. Em vez de clima de velório, o local está em festa. Para encerrar a carreira do Empório em grande estilo, o que deve acontecer até o final do mês, Leite criou uma série de eventos gastronômicos. Na próxima quinta, 18, os convidados da casa são os irmãos Marcelo e Carolina Corrêa Bastos, responsáveis pelo restaurante Jiquitaia. Eles vão servir caldo de mocotó e costelinha de porco com quirera. Tudo isso, é claro, perfeito para ser harmonizado com dois dedos de uma boa cachaça.

Rua Aspicuelta, 271, 3031-0816