Pular para o conteúdo

Nick Simon dirige filme inteiramente feito na quarentena sem contato físico

Divulgação
Nick Simon dirige filme inteiramente feito na quarentena sem contato físico
Um filme filmado no meio da pandemia!

O modelo pode ser uma solução para a produção audiovisual durante a quarentena

Enquanto Hollywood está lutando para descobrir como retomar a produção de longa-metragens em tempos de pandemia de coronavírus, um grupo de filmakers independentes e atores parecem já terem descoberto a fórmula: o cineasta Nick Simon e sua equipe fizeram o primeiro filme inteiramente desenvolvido durante a quarentena. Eles forneceram a maquiagem, os equipamentos de câmera e iluminação, adereços e explicaram para os atores como montar tudo e eles mesmo arrumaram tudo.

“O filme inteiro foi escrito, produzido e filmado durante a quarentena. Agora estamos na pós-produção”, contou o diretor e co-roteirista Simon, para a Vanity Fair. O filme The Untitled Horror Movie (“Filme de Terror sem Título”, em português) agora está procurando um distribuidor.

A comédia de terror é sobre um grupo de jovens que estrelam uma popular série de TV e descobrem por vídeo chamada que o show que foi cancelado. Com medo de caírem na obscuridade, eles decidem permanecer no centro das atenções fazendo um rápido filme de terror. Enquanto filmam, realizam um ritual que acidentalmente invoca um verdadeiro espírito demoníaco.

Uma das curiosidades é que todos os atores que participam do filme realmente são atores de séries de sucesso. Claire Holt (The Originals e The Vampire Diaries) interpreta a estrela prima donna com um certo problema com chardonnay, Katherine McNamara de Shadowhunters e Arrow, é uma novata ambiciosa, Emmy Raver-Lampman (The Umbrella Academy) é uma ex-atriz infantil que está acostumada a gerenciar grandes egos, Darren Barnet (Eu Nunca) é um galã que tenta provar que é um ator sério, Timothy Granaderos (13 Reasons Why), faz o papel do cara legal que é amigo de todos.

O outro co-roteirista Luke Baines, também de Shadowhunters, interpreta um dos atores recém-desempregados que é arrogante viciado em drogas, que precisa desesperadamente de um novo sucesso.

O título da produção faz parte de uma piada interna da trama, já que o grupo não consegue nomear o seu próprio filmes.

Baines e Simon estavam engajados em outros projetos quando foram pegos de surpresa pela quarentena. Enquanto muitos estão se programando ideias para o fim da pandemia, eles decidiram colocar as ideias em prática ainda durante o lockdown.

Aproveitaram a época e conseguiram atores que também estavam com seus trabalhos parados. “Começamos a chamar alguns atores que Luke conhece e disse: ‘Ei, estamos pensando em fazer este filme sem dinheiro, e vamos filmar nós mesmos’. E todos disseram a mesma coisa, que foi: ‘Sim, isso parece muito divertido, porque não estamos fazendo nada no momento, e isso parece uma grande distração’”, disse Simon.

Somente parte da história envolve um bate-papo por vídeo, o resto do longa é filmado tradicionalmente, então todos os chefes de departamento tiveram que descobrir como instruir os atores a realizarem seus respectivos trabalhos remotamente.

Eles apresentaram o projeto aos produtores Bronwyn Cornelius e Marina Stabile, que ajudaram a obter o financiamento necessário e então começaram a montar a equipe. “Em muitos casos, não conhecemos as pessoas”, disse Cornelius e ele complementa, “Nunca conhecemos o elenco e a equipe e, no entanto, todos nos ligamos praticamente por causa dessas chamadas de Zoom. É fascinante o quão conectado você pode se sentir com alguém que nunca conheceu fisicamente. Isso é outra coisa positiva, uma experiência que surgiu desse tipo de mundo novo em que estamos vivendo. Você não precisa perder a conexão. Você não precisa perder esse vínculo apenas porque não podemos estar fisicamente no mesmo espaço”.

Será esse o futuro de Hollywood ou, pelo menos, da safra de filmes que serão lançados em 2021?