Pular para o conteúdo

Carl Reiner, de ‘Onze Homens’ e considerado uma lenda da comédia, faleceu

Divulgação
Carl Reiner, de ‘Onze Homens’ e considerado uma lenda da comédia, faleceu
Será eternamente lembrado. Descanse em paz Carl Reiner.

Carl Reiner – A lenda da comédia americana se foi…

Considerado um dos grandes talentos da indústria de entretenimento que escrevia, atuava, dirigia e produzia, o mundo fica mais triste com a perda de Carl Reiner nesta terça-feira, dia 30 de junho, aos 98 anos.

Não se pode discutir muito quando alguém do mercado ganha o título de ‘Lenda da Comédia’. Com uma carreira de roteirista, produtor, diretor e ator, o mundo perdeu essa semana o talento de Carl Reiner que ganhou nove prêmios Emmy, três como ator, quatro como escritor e dois como produtor, além de faturar um Grammy por seu álbum “The 2.000 Year Old Man“, baseado em sua rotina de comédia com Mel Brooks.

Nada mal para que nasceu no Bronx, filho de Irving Reiner, um relojoeiro, e a tradicional prendas do lar, Bessie Reiner. Tudo corria bem em sua vida como reparador de máquinas de costuras quando, aos 16 anos de idade, o jovem Carl participou de um workshop sobre teatro, mudando totalmente sua perspectiva de vida.

Sua carreira começou no final dos anos 40 quando participou da série The Fashion Story (1948), enquanto no ano seguinte, entrou para o elenco da comédia da Broadway, Inside U.S.A. Foi o produtor e roteirista Max Liebman que o levou para trabalhar num dos grandes líderes de audiência da TV, Your Show of Shows (1950), onde fez uma divertida entrevista com Sid Caesar, um dos grandes comediantes da época.

Passou a fazer parte do elenco fixo que garantiu sua primeira indicação como ator em comédia ao EMMY de 1953. Ele foi indicado 13 vezes ao EMMY. No ano seguinte, o programa foi dividido, sendo que a revista estilo Broadway ficou com título principal, enquanto que o segmento dedicado à comédia ganhou o nome da estrela do horário, Caesar’s Hour, com Carl no elenco principal. Ele faturou dois EMMY’s como ator coadjuvante, que tinha na equipe de roteiristas nomes ainda desconhecidos como Neil Simon e Mel Brooks.

Carl gostou do novo ofício, de escrever piadas e esquetes de humor para Sid Caesar. Em 1959, ele criou o piloto de uma série de TV, Man of the House. Na série, ele interpretava Rob Petrie, um roteirista que conseguiu equilibrar sua vida familiar com as exigências de trabalhar num programa de comédia comandado por um gênio cômico egoísta, literalmente inspirada em Sid Caesar, que o próprio Carl o definia como um déspota benigno que não possuía habilidades sociais. É claro que o programa não vingou por que a CBS alegou que o personagem era muito parecido com Sid, uma joia da programação da rede.

A ideia, contudo, não morreu. Carl fez algumas modificações que a CBS queria, trazendo Dick Van Dyke da  Broadway, onde tinha ganho um Tony por Adeus, Amor (Bye Bye Birdie), para interpretar Rob Petrie, no novo The Dick Van Dyke Show, que estreou em 1961. Ao lado dele, estava Mary Tyler Moore, e fazendo o papel do egocêntrico comediante, nada menos do que o próprio Carl. A série ganhou vários EMMY’s e é considerada uma das 50 melhores comédias da história da TV Americana.

Foi nesta série que Carl Reiner começou a mostrar seu talento em outra área importante, a direção. Sua estréia no cinema na direção foi com a adaptação cinematográfica da peça que Joseph Stein havia adaptado de seu romance de 1958, Enter Laughing (1967). Dois anos depois escreveu e dirigiu Glória e Lágrimas de um Cômico, estrelada por Dick Van Dyke, mas não estourou nas bilheterias, ao contrário de Como Livrar-me da Mamãe (1970), que se tornou num clássico cult.

Sua criatividade no cinema gerou grandes momentos como Alguém lá em Cima Gosta de Mim (1977), Um Grande Gozador (1978), O Panaca (1979) o primeiro da parceria com Steve Martin, seguido do cultuado Cliente Morto Não Paga (1982), onde Steve interage com grandes nomes do cinema noir; O Médico Erótico (1983) com Kathleen Turner; e Um Espírito Baixou em Mim (1984), com Lily Tomily. Seu último recente trabalho no cinema foi Guerra dos Sexos (1997), com Bette Midler e Denis Farina.

Na televisão, Reiner ainda faria duas novas versões da série com Dick Van Dyke, em 1971, e o especial em 2004, além de várias participações em séries como Louco por Você, Family Law, Ally McBeal, e No Calor de Cleaveland. No cinema, é lembrado pela recente trilogia Onze Homens e um Segredo, ao lado de George Clooney e Brad Pitt. Em Toy Story 4, fez a voz do rinoceronte de brinquedo.

Foi seu filho e também ator e diretor Rob Reiner (Questão de Honra, 1992), quem comunicou a partir de Carl Reiner, através do Twitter: “Ontem à noite meu pai faleceu. Enquanto escrevo isso, meu coração está doendo. Ele era minha luz guia”. Sentiremos falta de seu talento…