O Presidente da República Jair Bolsonaro dificilmente vai estar na Marques do Sapucaí, neste carnaval, que começa na sexta-feira com as escolas do Grupo de Acesso do Rio. Com certeza, quem estará na passarela do samba carioca é o governador de São Paulo, João Doria.

Trata-se da consolidação de uma reaproximação entre os governadores de dois dos estados mais importantes do país. Witzel e Doria se desentenderam no passado, e um dos pontos era a disputa em torno do Grande Prêmio de Fórmula 1 do Brasil. O Rio de Janeiro quer construir um novo autódromo para, a partir de 2021, sediar novamente os GPs.

Apesar disso, os governadores têm se alinhado de uma forma geral, nos últimos dias, tendo como foco principal uma espécie de antítese ao Governo Federal, independentemente da coloração partidária, da legenda do partido, ideologia ou filosofia. Os governadores tentam, nessa reaproximação, defender seus interesses no Congresso Nacional, como a aprovação das reformas, além de referendar valores do Estado Democrático de Direito, como a liberdade de imprensa, as instituições democráticas consolidadas, e a democracia de uma forma geral.

Segundo algumas fontes, a figura do presidente Bolsonaro não tem representado alguns valores e princípios democráticos, seja por decisões ou por suas declarações.

* Com informações do repórter Rodrigo Viga.