Após fazer a última vistoria na Marquês de Sapucaí, o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, disse nesta sexta-feira (21) que o Sambódromo “está como nunca esteve, preparado para essa grande festa”. Nesta sexta à noite, começam os desfiles das escolas de samba da série A.

Acompanhado do presidente da Empresa de Turismo do Município do Rio de Janeiro (Riotur), Marcelo Alves, Crivella anunciou a conclusão das obras e entregou o Sambódromo em definitivo à população.

Nesta quinta, o Sambódromo foi liberado para os desfiles das escolas de samba. Em vistoria, o Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio avaliou a presença de itens obrigatórios em estruturas provisórias e concluiu que o local está em conformidade no que diz respeito à segurança contra incêndio e pânico.

“Quero tranquilizar as pessoas que estão aqui ou as que vão ficar em casa, sabendo que seus familiares estarão aqui, de que nós temos saída de emergência em dobro do que tínhamos no ano passado. Todos os quadros elétricos foram trocados. O piso da Marquês de Sapucaí está impecável. A instalação dos banheiros, dos camarotes, tudo foi ‘manicurado’. Parece que o Sambódromo foi a uma manicure”, disse Crivella.

Sobre a previsão de chuva forte para a noite desta sexta, quando começam os desfiles, Crivella afirmou que foi feita a limpeza do rio que passa debaixo do Sambódromo e dos bueiros. “Os garis entraram no Papa-Couve, fizeram uma limpeza esmerada. Papa-Couve está limpinho. É ele que vai receber todas as águas dos bueiros. Os bueiros estão limpinhos. Fica esse apelo. Vai vir um toró. Então, não jogue papel no chão”, acrescentou.

Crivella disse que não estará no Sambódromo no carnaval, mas vai acompanhar os desfiles no Centro de Operações Rio (COR), onde foi montado um comitê do carnaval que vai integrar os diversos órgãos públicos envolvidos no evento. “O prefeito estará aqui perto no COR, que aliás vai ser o CORmarote”, disse Crivella, fazendo um trocadilho com as palavras Centro de Operações Rio e camarote.

Segundo o presidente da Riotur, os R$ 8,1 milhões empregados em dois meses de obras no Sambódromo vieram do Ministério do Turismo. De acordo com Alves, são esperados 2 milhões de turistas e mais de 7 milhões de foliões na rua no período do carnaval.

*Com informações da Agência Brasil