Pular para o conteúdo

Mulheres, as melhores garotas propaganda que o agro poderia ter

Mulheres, as melhores garotas propaganda que o agro poderia ter
Fonte: PNG Tree

Negociadores chineses vão aos Estados Unidos para mais um embate da guerra comercial. Os chineses compraram soja americana nestes últimos dois meses e há um diz que diz que eles poderão aumentar a aquisição de soja dos americanos, nossos maiores concorrentes.

Se isso ocorrer, sem dúvida, afetaria o Brasil, pois os Estados Unidos são os nossos grandes concorrentes. A guerra comercial significa incerteza de análise, mesmo para os maiores especialistas e traders do mundo, pois entre China e Estados Unidos o que está em jogo não é o comércio, e sim uma luta pela hegemonia e domínio tecnológico do planeta e poderio estratégico militar.

Em São Paulo terminou o 4º Congresso Nacional das Mulheres do Agronegócio e o 1º Movimento Internacional da Juventude do Agro. Foram quase 2 mil mulheres de todo o Brasil e ouvimos depoimentos extraordinários sobre produção com qualidade, sustentabilidade, responsabilidade social, bem estar animal e compromisso com os desejos dos consumidores.

Como o tema comunicação foi considerado o mais fraco e falho do país, na sua falta de coordenação e de uma voz uníssona, vimos que se reuníssemos a voz de muitas mulheres produtoras ali presentes, e se mostrássemos suas falas e suas realidades para os clientes e consumidores internacionais do Brasil, sem dúvida, seria a melhor e a mais poderosa campanha de comunicação que poderíamos realizar.

O amor transmitido naquilo que fazem transformariam essas produtoras também nas melhores garotas propaganda do Brasil, no agronegócio. Hora das lideranças e do governo considerarem a necessidade de uma campanha de comunicação para o mundo, revelando tudo o que fazemos bem feito, e como Gisela Introvini, de Balsas no Maranhão, revelou.

Temos a maior área de soja certificada e sustentável do mundo, apresentamos isso para supermercados e clientes internacionais, fazemos coisas geniais que são desconhecidas dentro do próprio país. Então, de fato, além do Brasil desconhecer o Brasil, as coisas boas que fazemos não aparecem. Em compensação, tudo o que não presta fica amplificado.

Num painel importantíssimo, coordenado pelo professor Cláudio Pinheiro Machado da FEA-Pensa-USP, com João Martins presidente da CNA (Confederação Nacional da Agricultura), Marcello Brito, presidente da Abag (Associação Brasileira de Agronegócio) e Márcio Milan, diretor executivo da Abras (Associação Brasileira de Supermercados) o que todos ali concordaram foi que as pautas comerciais não estão coladas nas pautas da política partidária, e que a guerra interna de uns contra os outros fazem mal para todos, e todos somos vítimas de uma saraivada de balas perdidas nessa guerra do nós contra eles.

Para o agro só existe um Brasil, aquele legal, que faz bem feito, que tem o código florestal mais severo do mundo e que sabe servir com responsabilidade seus consumidores brasileiros e do mundo todo.

O agronegócio é o negócio do Brasil!

José Luiz Tejon para Rede Jovem Pan

%d blogueiros gostam disto: