Pular para o conteúdo

Ajustes na seleção

Ajustes na seleção

No primeiro amistoso após a conquista da Copa América, o Brasil empatou com a Colômbia em um jogo com alternância de ritmo e domínio.

Os colombianos foram melhores na primeira etapa e mereceram a vitória por 2×1. Carlos Queiroz colocou Cuadrado pelo meio ao lado de Barrios e Uribe com Muriel e Roger Martinez pelo lado e Zapata na referência. Com intensidade e velocidade, impôs seu ritmo ao jogo e foi superior ao Brasil.

O meio-campo ainda é uma questão a ser resolvida por Tite. Arthur é um jogador mais cadenciado e muitas vezes vem buscar a bola mais atrás, já Coutinho é praticamente um atacante e um buraco aparece, esse ajuste ainda não aparece automaticamente como era com Paulinho e Renato Augusto que se encaixavam perfeitamente nas Eliminatórias, Tite muitas vezes precisa interferir durante o jogo para compactar seu time.

O ajuste veio no segundo tempo em Miami com Coutinho aberto pela esquerda e Neymar mais solto por dentro. O time cresceu, empatou e pressionou a Colômbia no final do jogo.

Outro ajuste ainda em andamento é no ataque. Firmino é muito diferente de Gabriel Jesus. O atacante do Liverpool sai da área, como Tite disse, vira praticamente um quarto homem de meio e o time precisa preencher a área, por isso a opção por Gabriel Jesus ou Richarlison pelo lado direita, jogadores agressivos e que entram na área.

Tite tem boas peças e tenta arrumar um time consistente. Está no meio deste processo, mas não perde a consistência defensiva, o Brasil é um time duro de ser batido e com a conquista da Copa América, Tite deve ter um pouco mais de tempo e paz para os ajustes necessários.